Áreas Protegidas e Turismo na Serra do Espinhaço: Dez anos de atuação do Grupo Integrado de Pesquisas do Espinhaço - UFMG / UFVJM

Autores

  • Bernardo Machado Gontijo
  • Solano de Souza Braga
  • Danielle Piuzana Mucida
  • Marcelino Santos de Morais

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5096361

Palavras-chave:

Turismo, História, Patrimônio Cultural e Natural, Reserva da Biosfera

Resumo

A atividade turística na Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço (RBSE), Minas Gerais, ocorre em praticamente toda a sua extensão. Em algumas áreas o turismo possibilitou a valorização e a preservação do patrimônio cultural e natural por meio de tombamentos, registros de patrimônios imateriais, concessões de chancelas e criação de Unidades de Conservação, em especial no eixo da Estrada Real que foi a via para o escoamento do ouro e de diamantes a partir de meados do século XVIII. O objetivo desse artigo é traçar um panorama do turismo na Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço explorando possíveis efeitos dessa atividade na valorização e preservação do patrimônio histórico-natural. Este estudo tem como respaldo teórico e prático pesquisas já realizadas na área da Reserva no âmbito do Grupo Integrado de Pesquisas do Espinhaço (GIPE). Na medida em que os patrimônios naturais e culturais constituem-se em um verdadeiro amálgama quando nos referimos à RBSE, os trabalhos realizados no âmbito do GIPE buscam um diálogo constante com outras áreas do conhecimento, agregando referências nas áreas da geologia, biologia, geografia física e humana, arqueologia, patrimônio e ciências sociais. O grande diferencial turístico da RBSE reside nesse amálgama patrimonial único, restando saber até que ponto os turistas que a frequentam, em número cada vez maior, realmente conhecem esta característica/riqueza/potencial de forma a valorizá-la.

Referências

Abreu, M. M. (2015) Territorialidade e Pertencimento: o olhar local sobre o Parque Estadual do Pico do Itambé – MG. Dissertação de Mestrado, UFRJ.

Andrade, Miguel Ângelo, Martins, Cássio Soares, Domingues, Sérgio Augusto et al. (org.). (2015) Primeira Revisão Periódica da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço. RBSE, MaB – UNESCO. Belo Horizonte, MG, Brasil

Barbosa, M.F.P. (2011) “Turismo e Desenvolvimento como Liberdade em Capivari/ Serro (MG): possibilidades, limites e expectativas.” Dissertação de Mestrado, UFMG.

Becker, Luzia C. (2009) Tradição e modernidade: o desafio da sustentabilidade do desenvolvimento na Estrada Real. 405p. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Braga, S. S. (2011). "A Serra do Cipó: A complexidade de uma região moldada pelo Tempo, Turismo e a Geografia". Dissertação de Mestrado, UFMG.

Braga, S. S, Gontijo, B. M., DE Azevedo, Ú. R., Malta, G. A. P., Gonçalves, M. F. (2017). As chancelas da Unesco como alternativas de gestão para os patrimônios culturais e naturais da Serra do Espinhaço, Minas Gerais, Brasil. Revista Espinhaço, 29-40.

Drummond, G.M, Martins, C.S, Machado, A.B.M, Sebaio, F.A e Antonini, Y. (2005). Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para sua conservação. 2 ed. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas

Fagundes, M., Lara, L., Leite, V. (2012). Paisagem cultural da área arqueológica de Serra Negra, Vale do Araçuaí‐MG: os sítios do complexo arqueológico Campo das Flores, municípios de Senador Modestino Gonçalves e Itamarandiba. Tarairiú, Vol. 1, n. 5, p. 1-27.

Fagundes, M., Pacheco, M. L. F., Baggio Filho, H., Silva, A. C., Bispo, F. H. A. (2014). A área arqueológica de Serra Negra: Alto Araçuaí, Minas Gerais – implantação, repertório cultural e análise tecnológica. Revista de Arqueologia, 27(2), p. 100-124.

Ferreira, R. A., Gontijo, B. (2010). A Serra do Cipó e seus vetores de penetração turística–um olhar sobre as transformações socioambientais. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Gomes, W. M. (2014). Territórios Pré-históricos da Cordilheira do Espinhaço. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Gontijo, B. M. (2003). A ilusão do Ecoturismo na Serra do Cipó/MG: o caso de Lapinha. Universidade de Brasília, 192p. Tese de Doutorado. Centro de Desenvolvimento Sustentável. Brasília.

Gontijo, B. M. (2005). Novos caminhos para o turismo. In: Eugênio Marcos Andrade Goulart. (Org.). Navegando o Rio das Velhas das Minas aos Gerais. 1ed.Belo Horizonte: Instituto Guaicuy - SOS Rio das Velhas/Projeto Manuelzão/UFMG, v. 2, p. 711-731.

Gontijo, B. M. (2007). As portas abertas da serra do Cipó. Cadernos Manuelzão, 2(3).

Gontijo, B.M., Rego, J. F. (2011) Por uma atitude turística pessoalizante. In: FARIA, Ivani F. (Org). Turismo: sustentabilidade e novas territorialidades. Manaus: EDUA. Pp. 1-16.

Gontijo, B.M. (2008). Um turismo que se quer sustentável. In: OTTONI, C. Serra do Cipó: Sempre Viva. Pedro Leopoldo: Gráfica Editora Tavares.

Goulart, Eugênio M. A. (2001) Nos ermos e nas brumas da Serra do Espinhaço. Ed: COOPMED. Belo Horizonte, 2001.

ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (2009). Plano de Manejo do Parque Nacional da Serra do Cipó, Brasília.

Isnardis, A. (2009). Entre as Pedras: as ocupações pré-históricas recentes e os grafismos rupestres da região de Diamantina, Minas Gerais. 2009. 512f. Tese (Doutorado em Arqueologia). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009.

Knegt, L.M.P. (2015). Indicadores da Paisagem para a Ocorrência de Sítios Arqueológicos na Área Arqueológica de Serra Negra, Face Leste do Espinhaço. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Lacerda, M. O. (2014) Paisagem da Terra dos Diamantes: passado e presente a favor de uma reflexão prospectiva. Tese de Doutorado, UFMG.

Lima, C.X. (2013). Caraça, a porta do céu e seu entorno: o estudo da paisagem para a conservação da biodiversidade. Dissertação de Mestrado, UFMG. 2013.

Lopes, C.G.F. (2009). Diferença e Conflito: uma perspectiva teórica para análise do fenômeno do turismo a partir das transformações do/no modo de vida dos lapinhenses. Universidade Federal de Minas Gerais, 305p. Dissertação de Mestrado. Departamento de Geografia. Belo Horizonte. 2009.

Lopes DE Paula, F. (2011) Sítios arqueológicos em Conceição do Mato Dentro. HISTÓRIA VIVA, 2011.

Moura, A. M. F. (2000). Serra do Cipó - MG. Ecoturismo e impactos socioambientais. Dissertação de mestrado em geografia e análise ambiental. UFMG: Belo Horizonte.

Morais, M. S. de. (2014). A realidade socioambiental imposta às comunidades locais pela criação e implementação dos Parques Estaduais do Biribiri e Rio Preto. Tese de Doutorado, UFMG.2014.

Moss, M.C.B. (2014). Terras Incógnitas do Turismo – Um olhar exploratório sobre o fenômeno urbano, seus desdobramentos e os territórios desconhecidos na Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço: os núcleos urbanos de Lavras Novas, Serra do Cipó e Milho Verde. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Morais, M. S., Gontijo, B., Piuzana, D., Dupin, P. (2014). Comunidades e Unidades de Conservação: A realidade dos conflitos entre as comunidades do entorno dos parques estaduais do Rio Preto e Biribiri, MG. Olam: Ciência & Tecnologia (Rio Claro. Online), 13, p. 246-268.

Morais, M. S., Gontijo, B. M., Piuzana, D. (2018). Percepções sobre conflitos socioambientais de comunidades do entorno do Parque Estadual do Biribiri, Diamantina, Minas Gerais. Revista Espinhaço, 7, p. 02-11.

Mucida, D. P., Morais, M. S., Gontijo, B. M. (2016). O uso de maquete como ferramenta pedagógica na gestão educacional: o exemplo da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço, Minas Gerais, Brasil. Revista ESPACIOS, v. 37, n.07, p. E-2.

Mucida, D. P., Morais, M. S., Gontijo, B. M., Fagundes, M. (2019). A degradação ambiental em narrativas de naturalistas do século XIX para a reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço. Caderno de Geografia, 29(57), p.465-495.

Murta, I.B.D. (2012) Representações sociais do ambiente protegido: estudo multicaso no município de Ouro Preto/MG. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Nascimento, J.S. (2010). “Estudo da ecologia da paisagem e biologia da conservação como base para o desenvolvimento e monitoramento de estratégias de conservação, por geoprocessamento e análise multicriterial. Área de Proteção Ambiental Morro da Pedreira- Serra do Cipó/MG”. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Noronha et al. (2007). Construção da Agenda 21 local: a comunidade unida planejando o desenvolvimento sustentável.

O`connor, J. (1988). Capitalism, nature, socialism: theoretical introduction. Capitalism, Nature, Socialism. London, v. 1, n. 1, p. 11-38.

Pereira et al. (2013). A comunicac#a#o atrave#s da arte: construc#a#o da maquete da Serra do Espinhac#o Meridional como recurso interdisciplinar e dida#tico. Revista Territorium Terram, 1(2), p. 65-80.

Rodrigues, B.B. (2014). Efetividade da legislação e gestão do patrimônio natural e cultural: estudo da RPPN Santuário do Caraça. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Romeiro, C. M. (2019). Entre a Serra e o Quintal de Casa: Conciliando Proteção Integral e Ocupação Humana nos Monumentos Naturais Itatiaia e Várzea do Lajeado e Serra do Raio (MG), Dissertação de Mestrado, UFMG.

Ruchkys U.A., Machado M.M.M., Castro P.T.A., Renger F.E., Trevisol A. Geoparque Quadrila#tero Ferri#fero, Minas Gerais. In: SHOBBENHAUS C., SILVA C. (orgs). Geoparques do Brasil: propostas. Servic#o Geolo#gico do Brasil, Rio de Janeiro, 2012, 220 p. Disponível em: < http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/ bitstream/handle/doc/17149/quadrilatero.pdf?sequence=1>. Acesso em: 19 abr 2020.

Saadi, A. (1995). A geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e de suas margens. Geonomos, 3(1), p. 41-63.

Santos Jr. L.A. (2020). Caminho Saint Hilaire: Olhares Cruzados. Belo Horizonte: Ed. Ramalhete. 237p.

Santos, J. B., Soares, M. A., Mucida, D. P. (2020). COVID-19 interferes in the disclosure of the first Brazilian GIAHS site. Braz. J. Biol., São Carlos, 2020. https:// doi.org/10.1590/1519-6984.241989.

Scalco, R. F.; Souza, D. E; Souza, H. A. (2017). Oficinas de legislação ambiental e turismo para as comunidades do entorno do Parque Estadual do Biribiri. Revista Espinhaço | UFVJM, p. 16-23. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.3967942

Scalco, R.F. (2009). Desafios, paradoxos e complexidade na gestão do Mosaico de Unidades de Conservação da Área de Proteção Ambiental Cachoeira das Andorinhas, Ouro Preto/MG. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Solari, A.; Isnardis, A.; Linke, V. (2012). Entre Cascas e Couros: os sepultamentos secundários da Lapa do Caboclo (Diamantina, Minas Gerais). Revista Habitus - Revista do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, 10(1), p. 115-134.

Souza, D.E. (2014). Aspectos Socioambientais e a Gestão da APA Estadual das Águas Vertentes - MG. Dissertação de Mestrado, UFMG.

Downloads

Publicado

11-10-2021

Edição

Seção

Artigos