Aplicação da análise complexa em estudos geográficos: proposta de regionalização da Serra do Cipó

  • Solano de Souza Braga
  • Bernardo Machado Gontijo
  • Guilherme Augusto Pereira Malta
  • Maria Flávia Pires Barbosa

Resumo

As distintas visões que existem sobre a Serra do Cipó e a ausência de uma definição mais abrangente da região causam inconsistências nas delimitações da área de estudo. De maneira geral, o termo “Serra do Cipó” pode ter diversos significados: um distrito, um Parque Nacional, uma Área de Proteção Ambiental, uma cabeceira de drenagem, um Circuito Turístico, dentre outras. Com base no método de análise complexa, o artigo objetiva apresentar uma definição de região que congregue as principais características e elementos naturais e humanos da Serra do Cipó. Para isso, foi proposto um recorte regional para a Serra do Cipó a partir da sobreposição de elementos históricos, ambientais, territoriais, culturais e socioeconômicos. Atualmente, o turismo é o agente que mais contribui para que a imagem da Serra se consolide e se associe, sobretudo, à questão ambiental. Assim, definiu-se como região a área composta pelos municípios que agregam o maior número de elementos que fortalecem a identidade “Serra do Cipó”.

Referências

[1] ALVES, Márcio Resende F., DINIZ José Eustáquio. D. João VI e o genocídio dos índios botocudos. XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu, 2008.

[2] BRAGA, Solano S.; GONTIJO, B. M. A Região da Serra do Cipó: Complexidade, tempo e Turismo. Dissertação (mestrado), IGC/UFMG. 2011.

[3] BRAGA, Solano de Souza; GONTIJO, Bernardo Machado. O turismo como vetor de transformações sócio-espaciais: uma análise complexa das três sub- regiões da Serra do Cipó - MG. In: XIII SBGFA - a Geografia física e as dinâmicas de apropriação da natureza, 2009. p. 1-6.

[4] EPLERWOOD INTERNATIONAL. Diagnóstico de Turismo de Natureza – Destino Serra do Cipó – Estrada Real, Minas Gerais, Brasil (2007). Disponível em www.eplerwood.com.

[5] FERREIRA, Raoni Araújo. A Serra do Cipó e seus vetores de penetração turística: um olhar sobre as transformações socioambientais. Dissertação (mestrado), IGC/UFMG. 2010.

[6] GONDOLO, Graciela Cristina Fernández. Desafios em um sistema complexo à gestão ambiental – Bacia do Guarapiranga, região metropolitana de São Paulo. FAPESP e ANNABLUME editora, São Paulo, SP, 1999.

[7] GONTIJO, Bernardo Machado. A Ilusão do Ecoturismo na Serra do Cipó/MG: O Caso de Lapinha. Tese de Doutorado. Brasília: CDS/UnB, 2003.

[8] GOULART, Eugênio M. A; Nos ermos e nas brumas da Serra do Espinhaço. Ed: COOPMED. Belo Horizonte, 2001.

[9] GOULART, Eugênio M. A; O Caminho dos Currais do Rio das Velhas - a Estrada Real do Sertão. Ed: COOPMED. Belo Horizonte, 2008.

[10] GUSSO, Neiva Tomazel; GONTIJO, Bernardo Machado; Minas Novas de Velhas Histórias: Contextualização geográfica e sócio-econômica. Monografia de conclusão de curso, IGC/UFMG, 1996.

[11] IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contagem de população. Sistema de recuperação de informação municipal - Censo Demográfico. Rio de Janeiro, IBGE, 1996 GARDNER, George. Viagem ao Interior do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, 1975

[12] ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Manejo do Parque Nacional da Serra do Cipó, 2009.

[13] IEF/MG – Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais. Sítio eletrônico: www.ief.mg.gov.br. 10/12/2010

[14] MAGALHÃES, João Carlos. Emancipação político- administrativa de municípios no Brasil, Departamento de Estudos Regionais e Urbanos (Dirur) do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

[15] MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 3a Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

[16] NAZARETH. Serra do Cipó, 2005.

[17] PAULA, Elis Regina de. Marketing Ecológico: uma nova Perspectiva para a Serra do Cipó, monografia de conclusão de curso – Gestão estratégica/marketing, FACE-UFMG, 1996.

[18] PEREIRA, Doralice Barros; ANDRÉ, Pierre; BRYANT, Christopher R. La participation publique dans les unités de conservation, région de la Serra do Cipó au Minas Gerais, Brésil [manuscrito]. 2002 xv, 206, xciv f.: + 1 mapa, color. Tese (doutorado) - Universite de Montréal, Departement de Géographie, 2002.

[19] PROUS, André. Histórico das pesquisas no abrigo de Santana do Riacho e nos arredores (Serra do Cipó), in Arquivos do Museu de História Natural – UFMG. Belo Horizonte, vol. 12, tomo I: 61-66, 1991.

[20] Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço – RBSE.
Sítio eletrônico: http://rbse-unesco.blogspot.com.br/

[21] Revista Sagarana. Acessado 30/07/2015. Disponível em: http://www.revistasagarana.com.br/revista21/

[22] SAADI, A. Ensaio sobre a morfotectônica de Minas Gerais. Belo Horizonte: IGC/UFMG, Tese para admissão a cargo de Professor Titular, 1991.

[23] SAADI, A. A geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e de suas margens. Geonomos, Revista de Geociências, vol. III, N° 1, 41-63, 1995.

[24] SOARES, Dulce, MACHADO, Angelo B.M., SANTOS, Fábio M.C. e BRAGA, Pedro I. Serra do Cipó. 1a reimpressão. São Paulo: Empresa das Artes Projetos e Edições Artísticas, 1995.
Publicado
2015-06-10
Como Citar
BRAGA, Solano de Souza et al. Aplicação da análise complexa em estudos geográficos: proposta de regionalização da Serra do Cipó. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 43-54, june 2015. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/75>. Acesso em: 06 may 2021. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.3964582.
Seção
Artigos