Municípios recém-criados no Vale do Jequitinhonha e promoção da cidadania: uma análise comparativa dos indicadores de bem-estar social

  • Marcos Antônio Nunes
  • Gabriel Luís Nogueira de Oliveira

Resumo

No decorrer da década de 1990 foram criados no Brasil mais de mil municípios; em Minas Gerais o número foi superior a cem, e no Vale do Jequitinhonha foram vinte e quatro. Este surto emancipacionista reflete a maior autonomia outorgada pela Constituição Federal de 1988, que permitiu aos estados da federação legislarem sobre o tema. Vis-à-vis as vantagens e desvantagens das emancipações, observou-se que a partir daquela década os municípios recém-criados apresentaram maior evolução nos indicadores de bem-estar social que as demais categorias. No final do período de análise (2000-2010), verificou-se que os indicadores sintéticos praticamente se equalizaram, o que demonstra ter ocorrido uma redução das desigualdades sociais entre os municípios do Vale do Jequitinhonha. As dimensões sociais que mais contribuíram para o desenvolvimento social dos novos municípios foram a cultura, o lazer, a assistência social e a educação.

Referências

[1] ALVES, O. R. O município: dos romanos à nova
república. São Paulo: Editora Nacional, 1986.

[2] ARISTÓTELES. Política. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1985.

[3] BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente - Resolução CONAMA 274/2000 de 29 de novembro de 2000. Disponível em:
. Acesso em: 07 jul. 2015.

[4] BRASIL. Conselho Nacional de Meio Ambiente - Resolução CONAMA 357/2005 de 17 de março de 2005. Disponível em:
Acesso em: 07 jul. 2015.

[5] BREMAEKER, F. E. J. Os novos municípios brasileiros. Revista Brasileira de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 38, n. 200, p. 82–92, 1991.

[6] CHAUÍ, M. Estado de natureza, contrato social, estado civil na filosofia de Hobbes, Locke e Rousseau. In: CHAUÍ, M. Filosofia. São Paulo: Ática, 2000, p. 220- 223.

[7] FERREIRA, R. N. Abordagens conceituais e filosóficas da desigualdade. Belo Horizonte: UFMG/IGC, 2014.

[8] FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO – FJP. Índice Mineiro de Responsabilidade Social. Versão 2009. Índice Mineiro de Responsabilidade Social – IMRS. FJP. [S.d.]. Disponível em:
. Acesso em: out. 2014.

[9] MINAS GERAIS. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Sistema de cálculo da qualidade da água (SCQA), estabelecimento das equações do índice de qualidade das águas (IQA). Belo Horizonte: SEMAD/UCEMG/PNMAII, 2005.

[10] MINAS GERAIS. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Conselho de Política Ambiental e Conselho Estadual de Recursos Hídricos de Minas Gerais – Resolução COPAM/CERH- MG 01/2008 de 05 de maio de 2008. Disponível em:
Acesso em: 07 jul. 2015.

[11] MINAS GERAIS. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. PRODEMGE
- Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais. In: Geominas. Programa integrado de uso da tecnologia de geoprocessamento pelos órgãos do estado de Minas Gerais. Disponível em:
Acesso em: 26 nov. 2010.

[12] MINAS GERAIS. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Instituto Mineiro de Gestão das Águas - Projeto Águas de Minas. Monitoramento da qualidade das águas superficiais na bacia do rio Jequitinhonha em 2008. Belo Horizonte, 2009.

[13] NERI, M. Bem-Estar Social e Desigualdade. In: CPS&EPG – FGV. Disponível em:
. Acesso em: 24 ago. 2014.

[14] NUNES, M. A. Estruturação e reestruturações territoriais da região do Jequitinhonha em Minas Gerais. Dissertação de mestrado, mestrado em Organização Humana do Espaço, Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001. 206 f.

[15] NUNES, M. A.; GARCIA, R. A. O municipalismo brasileiro e as emancipações distritais durante a década de 1990: o grau de sucesso mediante análise do IDH. In: Anais do Simpósio Mineiro de Geografia, Alfenas. Disponível em: . Acesso em: 16 mai. 2014.

[16] NUNES, M. A.; GARCIA, R. A. Emancipações distritais em Minas Gerais na década de 1990 e suas relações com o fluxo migratório das mesorregiões mineiras. In: Anais do Seminário Sobre a Economia Mineira. Diamantina, 2014.

[17] OLIVEIRA, G. L. N.; BAETA, A. M. M.; RODRIGUES, B. H. M.; NUNES, M. A.; MATOS, R. E. S. Proposta metodológica para identificação de vilas e povoados mineiros localizados mais próximos das sedes municipais de outros municípios vizinhos. Caderno de Geografia, Belo Horizonte. v. 25, n. 44, p. 237-255, 2015.

[18] ROUSSEAU, J. J. O contrato social. Porto Alegre: L&PM Editores, 2012.

[19] SILVA, J. S.; GOMES, J. M. A. Indicadores de bem- estar social nos municípios da bacia hidrográfica do rio Guaribas – Piauí. In: UFPI. Disponível em:
. Acesso em: out. 2014.

[20] MATOS, R. E. S. Índice Mineiro de Responsabilidade Social e sua dinâmica na região de planejamento Jequitinhonha-Mucuri. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 24, n. 41, p. 17-33, 2014.

[21] SIQUEIRA, H. C. B. Democracia e cidadania: conceitos indissociáveis. In: Âmbito Jurídico. Disponível em: . Acesso em: out. 2014.

[22] VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. v. 1, 3 ed. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

[23] WORLD HEALTH ORGANIZATION. Guidelines for safe recreational water environments - coastal and fresh waters. v. 1. Geneva, Switzerland: 2003.
Publicado
2015-06-10
Como Citar
NUNES, Marcos Antônio; OLIVEIRA, Gabriel Luís Nogueira de. Municípios recém-criados no Vale do Jequitinhonha e promoção da cidadania: uma análise comparativa dos indicadores de bem-estar social. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 14-24, june 2015. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/74>. Acesso em: 06 may 2021. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.3962800.
Seção
Artigos