As migrações e a urbanização no Brasil a partir da década de 1950: um breve histórico e uma reflexão à luz das teorias de migração

  • Rodrigo Coelho de Carvalho

Resumo

A compreensão dos mecanismos de (re)distribuição espacial da população brasileira atualmente, devido à sua magnitude e complexidade, consiste em um grande desafio para geógrafos, economistas, demógrafos e estudiosos de diversas outras áreas do conhecimento. O objetivo do presente artigo é fazer um breve histórico das migrações e da urbanização no Brasil a partir da década de 1950, com base em uma revisão da bibliografia. Os processos de redistribuição da população no território e a reconfiguração do sistema urbano nacional foram avaliados à luz das principais teorias migratórias, utilizadas como ferramentas de interpretação e análise. Os fundamentos básicos dessas teorias, suas convergências, divergências e a aplicabilidade ao caso brasileiro são apresentadas ao longo do texto. Foram abordadas, entre outras questões, a discussão sobre a relação entre migrações e desenvolvimento e os efeitos da transição demográfica nas migrações internas do país.


 

Referências

Amorim Filho O; Serra RV. 2001. Evolução e perspectivas do papel das cidades médias no planejamento urbano e regional. In: ANDRADE, Thompson Almeida; Serra Rodrigo Valente. (orgs.). Cidades Médias Brasileiras. Rio de Janeiro.

Andrade TA; Serra RV. 1998. O recente desempenho das cidades médias no crescimento populacional urbano brasileiro. IPEA, Texto para discussão, n.554, Rio de Janeiro.

Azzoni C. 1986. Indústria e Reversão da Polarização no Brasil. Ensaios Econômicos- IPE/USP, n.58, IPE/USP: São Paulo.

Baeninger R. 2011. Migrações internas no Brasil século 21: evidências empíricas e desafios conceituais. In: Mobilidade espacial da população: desafios teóricos e metodológicos para o seu estudo / José Marcos Pinto da Cunha (Org.). Núcleo de Estudos de População – Nepo/Unicamp. Campinas.

Bernard A; Bell M; Charles-Edwards E. 2014. Life‐Course Transitions and the Age Profile of Internal Migration. Population and Development Review. 40. https://doi.org/10.1111/j.1728-4457.2014.00671.x

Braga FG. 2011. Conexões territoriais e redes migratórias: uma análise dos novos padrões da migração interna e internacional no Brasil. 129 p. Tese (Doutorado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional/ Faculdade de Ciências Econômicas/ Universidade Federal de Minas Gerais (CEDEPLAR/ FACE/ UFMG). Belo Horizonte.

Braga FG; Fazito D. 2010. Análise de redes sociais e as conexões territoriais da migração no Brasil: padrões estruturais da migração interna entre 1980 e 2000. Anais do XVII Encontro Nacional de Estudos Populacionais. ABEP. Caxambú.

Brito F. 2009. As migrações internas no Brasil: um ensaio sobre os desafios teóricos recentes. Texto para discussão 366. UFMG/Cedeplar. Belo Horizonte.

Brito F. 2006. O deslocamento da população brasileira para as metrópoles. Estudos Avançados, v. 57, p. 221-236. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142006000200017

Caldwell JC. 1976. Toward a restatement of demographic transition theory. Population and Development Review. Vol. 2 (3/4): 321-366. Doi: http://dx.doi.org/10.2307/1971615

Camarano AA; Beltrão KI. 2000. Distribuição espacial da população brasileira: Mudanças na segunda metade deste século. Texto para discussão No 766. IPEA.

Camarano AA; Abramovay R. 1998. Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos cinquenta anos. Revista Brasileira de Estudos Populacionais15(2). Brasília.

Cano W. 2011. Novas determinações sobre as questões regionais e urbanas após 1980. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, ANPUR, v.13, n.2, p. 27-53. Doi: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2011v13n2p27.

Davis K. in M. Teitelbaum and J. Winter (Ed.). 1989. Population and resources in western intellectual traditions. Cambridge University. Cambridge, UK.

De Haas H. 2010. Migration and Development: a theoretical perspective. In International Migration Review, 44(1):227- 264. https://doi.org/10.1111/j.1747-7379.2009.00804.x

Diniz CC. 1993. Desenvolvimento poligonal no Brasil: nem desconcentração, nem contínua polarização. Revista Nova Economia, v.3, n.1, p.35-64.

Guilmoto CZ; Sandron, F. 2001. “The internal dynamics of migration networks in developing countries”, in Population: an English Selection, 13(2): 135-164.

IPEA/IBGE/UNICAMP. 2002. Série “Caracterização e Tendências da Rede Urbana do Brasil”. Brasília.

Lee ES. 1966. “A theory on migration”. Demography, 3 (1): 47-57. Population Studies Center, Series in Studies of Human Resources, 1.

Lewis WA. 1954. Economic development with unlimited supplies of labor. The Manchester School of Economic and Social Studies 22.
https://doi.org/10.1111/j.1467-9957.1954.tb00021.x

Martine G. 1994. A redistribuição espacial da população brasileira durante a década de 80. IPEA, Texto para discussão, n.329. Brasília.

Martine G; Diniz CC. 1998. Economic and demographic concentration in Brazil: recent inversion of historical patterns. In: Urbanization in large developing countries: China, Indonesia, Brazil and India. Oxford University Press. Oxford, UK.

Martine G; Camargo L. 1984. Crescimento e distribuição da população brasileira: tendências recentes. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, v.1, n.1/2, p.99-143. Jan./dez. Campinas.

Massey D; et al. 1993. “Theories of International Migration: a Review and Appraisal”. Population and Development Review 19(3): 431-466.

Matos R; Baeninger R. 2004. Migração e urbanização no Brasil: processos de concentração e desconcentração espacial e o debate recente. Cadernos do Leste, IGC/UFMG, v. 6, n. 6, p. 7-44. Belo Horizonte.

Negri B. 1996. Concentração e desconcentração industrial em São Paulo (1880-1990). Editora da UNICAMP. Campinas.

Notestein FW. 1945. Population - The Long View. In: Food for the World. Ed. By Schultz, T. W. University of Chicago Press. Chicago, US.

Pacheco CA. 1996. Desconcentração econômica e fragmentação da economia nacional. Economia e Sociedade, (6): 113-40, jun. Campinas.

Piore MJ. 1979. Birds of Passage: Migrant Labor in Industrial Societies. Cambridge University Press. Cambridge, UK.

Portes A. 2009. “Migration and development: reconciling opposite views.” Ethnic and Racial Studies 32(1): 5-22. https://doi.org/10.1080/01419870802483668

Ranis G; Fei JCH.1961. A Theory of Economic Development. American Economic Review 54.

Ravenstein EG. 1885. The laws of migration. Journal of the statistical society, 47 (PT. 1): 167-227. https://doi.org/10.2307/2979181

Rigotti JIR; Cunha JMP. 2012. A migração interna nos últimos 50 anos: (des)continuidades, rupturas e recrudescimentos. XI Reunión Nacional de Investigación Demográfica em México. Sociedad Mexicana de Demográfia (SOMEDE). Águas Calientes, Mexico.

Rigotti JIR. 2011. Dados censitários e técnicas de análise das migrações no Brasil: avanços e lacunas. In: Mobilidade espacial da população: desafios teóricos e metodológicos para o seu estudo / José Marcos Pinto da Cunha (Org.). Núcleo de Estudos de População – Nepo/Unicamp. Campinas.

Rigotti JIR. 2008. A (re)distribuição espacial da população brasileira e possíveis impactos sobre a metropolização. In: 32o. Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu.

Rigotti, JIR. 2006. Geografia dos fluxos populacionais segundo níveis de escolaridade dos migrantes. Estudos Avançados (USP. Impresso), (20)1, p. 237-254.

Simões CCS. 2016. Relações entre as alterações históricas na dinâmica demográfica brasileira e os impactos decorrentes do processo de envelhecimento da população. IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro.

Singer P. 1973. Migrações internas: considerações teóricas sobre o seu estudo. In: Migrações Internas e Desenvolvimento Regional, Vol.1. CEDEPLAR. Belo Horizonte.

Sjaastad LA. 1962. The costs and returns of human migration.. The Journal of Political Economy (7)1: 80-93.

Skeldon R. 2012. “Migration Transitions Revisited: Their Continued Relevance for The Development of Migration Theory”. Population, Space and Place 18(2): 154-166.

Sposito MEB. 2007. Cidades médias: espaços em transição (Introdução) / Maria Encarnação Beltrão Sposito (org.). 1.ed. Expressão Popular. São Paulo.

Stark O; Taylor JE. 1989. Relative Deprivation and international migration. Demography (26)1.

Stark O; Bloom DE. 1985. “The new economics of labor migration”. The American Economic Review, 75(2): 173- 178.

Taylor JE. 1986. Differential migration, networks, information and risk. In Oded Stark (ed.), Research in human capital and development, Vol. 4, Migration, Human Capital and Development. JAI Press. Greenwich, Connecticut.

Todaro MP. 1969. A model for labor migration and urban unemployment in less developed countries. The American Economic Review 59:138-48.

Wood CH. 1982. Equilibrium and Historical-Structural Perspectives on Migration. International Migration Review 16 (2, Special Issue: Theory and Methods in Migration and Ethnic Research. https://doi.org/10.1177/019791838201600202

Wood CH. 1981. Structural Change and Household Strategies: A Conceptual Framework for the study of Rural Migration. Human Organization https://doi.org/10.17730/humo.40.4.m2627r44tv463850

Zelinsky W. 1971. The hypothesis of the mobility transition. The Geographical Review LX1, 219-249
https://doi.org/10.1177/030913259301700205
Publicado
2019-07-21
Como Citar
CARVALHO, Rodrigo Coelho de. As migrações e a urbanização no Brasil a partir da década de 1950: um breve histórico e uma reflexão à luz das teorias de migração. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 24-33, july 2019. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/250>. Acesso em: 06 may 2021. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.3345139.
Seção
Artigos