Espaço rural brasileiro: diversificação e peculiaridades

  • Cyntia Mirella Cangussu Fernandes Sales
  • Roberto Nascimento Rodrigues

Resumo

Com dimensões continentais, o Brasil contém espaços rurais heterogêneos, onde são encontradas formas diversas de organização social, econômica e de acesso à terra, por sua vez relacionadas à forma de colonização do país e à política fundiária que beneficiou uma categoria em detrimento de outra. Este artigo objetiva apresentar uma síntese da diversidade do espaço rural brasileiro, com base em revisão bibliográfica de textos selecionados sobre o tema. A variedade de espaços rurais no Brasil encontrada na contemporaneidade trás ruralidades relativamente acentuadas na maneira como as pessoas estabelecem o seu modo de produzir o espaço e reproduzir a si mesmos. Nos vários contextos rurais, com características e estilos de vida diversos, são constituídas relações econômicas e socioculturais em observância às peculiaridades do local, cujas relações são responsáveis por moldarem o espaço, ao mesmo tempo em que são moldadas pelo local em que elas se estabelecem.

Referências

Abramovay, R. 1990. De camponeses a agricultores: paradigmas do capitalismo agrário em questão. Campinas: Unicamp. Tese de doutoramento.

Alcantara Filho JL; Fontes RMO. 2009. A formação da propriedade e a concentração de terras no Brasil. Revista de História Econômica & Economia Regional Aplicada 4 (7): 63-85.

Aquino JR; Gazolla M. 2018. Dualismo no campo e desigualdades internas na agricultura familiar brasileira. Rev. Econ. Sociol. Rural 56 (1): 123-142.

Basaldi OV. 2001. Mudanças no meio rural e desafios para o desenvolvimento sustentável. São Paulo em Perspectiva 15 (1): 155-165.

Basaldi OV; Gomes EG. 2007. Evolução das condições de vida das famílias de empregados na agricultura brasileira no período 1992-2004. Revista de Economia Agrícola 54 (2): 67-101.

Belik M. 2015. A heterogeneidade e suas implicações para as políticas públicas no rural brasileiro. Rev. Econ. Sociol. Rural 53 (1): 9-30.

Berdegué JA; Escoba L; Bebbington A. 2015. Explaining spatial diversity in Latin American rural development: structures, institutions, and coalitions. World Development (73): 129-137.

Binkowski P. 2018. Dinâmicas e relações de poder nos conflitos agrários brasileiros. In: Binkowski, P. (Org.). Análise de conflitos e relações de poder em espaços rurais. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Campanhola C; Silveira FG; Magalhães LCG. 2009. O mercado de trabalho rural: evolução recente, composição da renda e dimensão regional. Rio de Janeiro: IPEA. Textos para Discussão 1398.

Cardoso JG. 2013. Pluriatividade e políticas públicas na região Nordeste e Sul do Brasil nos anos 1990 e 2000: trajetórias e desafios. Uberlândia: IEUFU. Tese de doutoramento.

Carneiro MJ. 2012. Do rural como categoria de pensamento e como categoria analítica. In: Carneiro, MJ. (Coord.) Ruralidades contemporâneas – modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, p. 23-50.

Carvalho HM. 2005. Política compensatória de assentamentos rurais como negação da reforma agrária. Adusp (34): 30-38.

Chayanov A. 1974. La organización de la unidad económica campesina. Buenos Aires: Nueva Visión.

Chiavari J; Lopes CL; Marques D; Antonaccio L; Braga N. 2016. Panorama dos direitos de propriedade no Brasil rural: legislação, gestão fundiária e código florestal. Rio de Janeiro: Climate Policy Initiative. Núcleo de Políticas Climáticas da PUC-Rio.

Costa HSM; Almeida DAO. 2012. Agricultura urbana: possibilidades de uma práxis espacial? Caderno de Estudos Culturais 4 (8): 61-78.

Cruz, NA; Torres AAM. 2012. História da pedagogia da alternância: laços e entrelaços com organizações/movimentos sociais de Rondônia. Revista Labirinto XII (16): 110-119.

Delgado GC. 2005. A questão agrária no Brasil, 1950-2003. In: Jaccoud, L. (Org.). Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo. Brasília: IPEA.

Delgado GC. 2017. Questão agrária hoje. In: Delgado, GS; Bergamasco, SMPP (Orgs.). A agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro. Brasília: MDA.

Domingues E. 2005. Movimento dos trabalhadores rurais sem terra, Contestado e Canudos: algumas reflexões sobre a religiosidade. Memoranum (8): 38-51.

Endlich AM. 2010. Perspectivas sobre o urbano e o rural. In: Sposito, MEB.; Whitacker, AM. (Orgs.). Cidade e campo: relações e contradições entre urbano e rural. São Paulo: Expressão Popular.

Fernandes BM. 2005. Questão agrária: conflitualidade e desenvolvimento territorial. In: Buainan, AM. (Org.). Luta pela terra, reforma agrária e gestão de conflitos no Brasil. Campinas: Unicamp.

Fernandes BM.; Medeiros, LS.; Paulilo, MI. 2009. O campesinato como sujeito político nas décadas de 1950 a 1980. In: Fernandes, BM.; Medeiros, LS.; Paulilo, MI. (Orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas. São Paulo: Editora UNESP.

Freitas AF. 2017. Por uma abordagem relacional do desenvolvimento territorial rural. Rev. Econ. Sociol. Rural 54 (4): 667-690.

Gorender J. 2002. Gênese e desenvolvimento do capitalismo no campo brasileiro. In: Stédile, JP (Org.). A questão agrária hoje. Porto Alegre: Ed. UFRGS.

Godoi EP. 1998. O sistema do lugar: história, território e memória do sertão. In: Nemaeyer, AM.; Godoi, EP. (Orgs.). Além dos territórios: para um diálogo entre etnologia indígena, os estudos rurais e os estudos urbanos. Campinas: Mercado das Letras, p. 97-131.

Graziano da Silva J. 1999. O novo rural brasileiro. Campinas: Unicamp.

Guanziroli CE; Romero A; Buainain AM; Sabbato AD; Bittencourt G. 2001. Agricultura familiar e reforma agrária no século XXI. Rio de Janeiro: Garamond.

Guanziroli CE; Buainain AM; Di Sabbatto A. 2012. Dez anos de evolução da agricultura familiar no Brasil: 1996 e 2006. Rev. Econ. Sociol. Rural 50 (2): 351-370

Guedes SNR; Reydon BP. 2012. Direitos de propriedade da terra rural no Brasil: uma proposta institucionalista para ampliar a governança fundiária. Rev. Econ. Sociol. Rural 50 (3): 525-544.

Kageyama A. 2003. Diversificação das rendas nos domicílios agrícolas no Brasil, 1992 e 2001. Economia e Sociedade 12 (1):65-86.

Kautsky K. 1972. A questão agrária. Porto: Portucalense.

Kinsella J; Wilson S; De Jong A; Renting H. 2000. Pluriactivity as a livelihood strategy in Irish farm households and its role in rural development. Sociologia Ruralis 40 (4): 481-496.

Laporati M; Salcedo S; Jara B; Boero V; Muñoz M. 2014. La agricultura familiar em cifres. In: Salcedo, S.; Guzmán, L. (Eds.). Agricultura familiar en America Latina y el Caribe: recomendaciones de política. Santiago de Chile: FAO-RLC.

Laurenti AC; Pellini T; Telles TS. 2015. Evolução da ocupação e do rendimento das pessoas no espaço rural brasileiro no período de 2001 a 2009. Rev. Econ. Sociol. Rural 53 (2): 321-
342.

Lima EM. 2005. Novas ruralidades, novas identidades. Onde? In: Moreira, RJ. (Org.). Identidades sociais: ruralidades no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A.

Linhares MY; Teixeira da Silva FC. 1999. Terra prometida: uma historia da questão agrária no Brasil. Rio de Janeiro: Campus.

Maluf RS. 2003. A multifuncionalidade da agricultura na realidade rural brasileira. In: Carneiro, MJ.; Maluf, RS (Orgs.). Para além da produção: multifuncionalidade e agricultura familiar. Rio de Janeiro: Manuad X, p. 135-152.

Maluf RS. 2004. Mercados agroalimentares e agricultura familiar no Brasil. Porto Alegre: Ensaios FEE 25 (1): 299-322.

Marcocci G. 2012. A consciência de um império: Portugal e o seu mundo (Sécs. XV-XVII). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Martins JS. 1981. Os camponeses e a política no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Martins JS. 2000. Reforma agrária: o impossível diálogo. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Mattei L. 2007. A relevância da família como unidade de análise nos estudos sobre pluriatividade. Rev. Econ. Sociol. Rural 45 (4): 1055-1073.

Medeiros LS. 2003. Reforma agrária no Brasil: história e atualidade da luta pela terra. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Melo TG; Scopinho RA. 2018. Políticas públicas para os assentamentos rurais e cooperativismo: entre o idealizado e as práticas possíveis. Revista Sociedade e Estado 33 (1): 63-86.

Miranda EL; Fiúza ALC. 2017. Movimentos sociais rurais no Brasil: o estado da arte. Rev. Econ. Sociol. Rural 55 (1): 123- 136.

Minc C. 1985. A reconquista da terra: estatuto da terra, lutas no campo e reforma agrária. Rio de Janeiro: Zahar.

Monte-Mór R. 2007. Cidade e Campo, Urbano e Rural: o substantivo e o adjetivo. In: Feldman, SEF. (Org.). O urbano e o regional no Brasil contemporâneo: mutações, tensões, desafios. Salvador: EDUFBA: ANPUR, p. 93-114.

Moreira A. 1994. A igreja e a questão agrária. Bragança Paulista: EDUSF. Cadernos do IFAN 7.

Morissawa M. 2001. A história da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular.

Mota, MB; Braick PR. 2002. História das cavernas ao terceiro milênio. 2ª ed. São Paulo: Moderna.

Nakatami P; Faleiros RN; Vargas NC. 2012. Histórico e os limites da reforma agrária na contemporaneidade brasileira. Serviço Social & Sociedade (110): 213-240.

Nascimento CA. 2008. Pluriatividade, pobreza rural e políticas públicas: uma análise comparada entre Brasil e União Europeia. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil.

Navarro Z. 2001. Desenvolvimento rural no Brasil: os limites do passado e os caminhos do futuro. Estudos Avançados 15 (43): 83-100.

Niederle PA; Fialho MAV; Conterato MA. 2014. A pesquisa sobre agricultura familiar no Brasil - aprendizagens, esquecimentos e novidades. Rev. Econ. Sociol. Rural 52 (supl. 1): 9-24.

Nogueira MDP. 2019. A participação da extensão universitária no processo de descolonização do pensamento e valorização dos saberes na América Latina. Belo Horizonte: UFMG. Tese de doutoramento
.
Nozoe N. 2006. Sesmaria e apossamento de terras no Brasil Colônia. Revista Economia 17 (3): 587-605.

Nunes EM; Tôrres FL; Silva MRF; Sá VC; Godeiro-Nunes KF. 2015. Dinamização econômica e agricultura familiar: limites e desafios do apoio a projetos de infraestrutura (Proinf) em territórios rurais do Nordeste. Rev. Econ. e Sociol. Rural 53 (3): 529-554.

Oliveira AU. 2001. A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos e reforma agrária. Revista Estudos Avançados 15 (43): 185-206.

Oliveira AU. 2007. Modo capitalista de produção, agricultura e reforma agrária. São Paulo: FFLCH/Labur Edições.

Oliveira N. 2001. Reforma agrária na transição democrática: abertura de caminhos à submissão institucional. São Paulo: Loyola.

Oliveir, AV. 2007. Modo de produção capitalista, agricultura e reforma agrária. São Paulo: FFLCH.

Priore MD; Venâncio R. 2006. Uma história da vida rural no Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro.

Queiroz JB. 2004. Construção das Escolas Famílias Agrícolas no Brasil: ensino médio e educação profissional.
Brasília: Universidade de Brasília. Tese de doutoramento.

Reis DS. 2005. O rural e o urbano no Brasil. Caderno de Geografia 15 (25): 77-92. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/geografia/article/view/16069/12246 Acesso em: 3 jun 2019.

Ribeiro M. 2010. Movimento camponês, trabalho e educação: liberdade, autonomia, emancipação: princípios/fins da formação humana. São Paulo: Expressão Popular.

Rodrigues JE. 2014. História. São Paulo: FTD.

Rosa LR; Ferreira DA. 2010. As categorias rural, urbano, campo, cidade: a perspectiva de um continuum. In: Sposito, MEB.; Whitacker, AM. (Orgs.). Cidade e campo: relações e contradições entre urbano e rural. São Paulo: Expressão Popular.

Rua J. 2002. Urbanidades e novas ruralidades no Estado do Rio de Janeiro: algumas considerações teóricas. In: Marafon, GJ.; Ribeiro, MF. (Orgs.). Estudo de geografia fluminense. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Infobook.

Rua J. 2005. A ressignificação do rural e as relações campo- cidade: uma contribuição geográfica. Revista da ANPEGE (2): 45-66.

Sakamoto CS; Nascimento CA; Maia AG. 2016 As famílias pluriativas e não agrícolas no rural brasileiro: condicionantes e diferenciais de renda. Rev. Econ. Sociol. Rural 54 (3): 561-582
.
Schneider, S. 2003. A pluriatividade na agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Schneider S. 2010. Reflexões sobre diversidade e diversificação da agricultura, formas familiares e desenvolvimento rural. Revista RURIS 4 (1): 85-131.

Silva JA. 2013. Curso de Direito Constitucional positivo. 37ª ed. São Paulo: Malheiros.

SILVA MBN da. História da família no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

Silva LO. 1996. Terras devolutas e latifúndios. Efeitos da Lei de 1850. Campinas: UNICAMP.

Stédile JP. 1997. Questão agrária no Brasil. 10ª ed. São Paulo: Atual.

Talaska A. 2016. Ainda existem latifúndios no Brasil? Uma análise do espaço agrário brasileiro. Santa Cruz do Sul: EDUNSC.

Veiga JE. 2003. Cidades imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas: Autores Associados.

Wanderley MNB. 2009. O mundo rural como um espaço de vida – reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Wanderley MNB; Favareto A. 2013. A singularidade do rural brasileiro: implicações para as tipologias territoriais e a elaboração de políticas. In: MIRANDA, CS.; SILVA, H. (Orgs.) Concepções da ruralidade contemporânea: as singularidades brasileiras. Brasília: IICA. Série Desenvolvimento Rural Sustentável: p. 413-472.

Woortmann EF. Woortmann K. 1997. O trabalho da terra. Brasília: UNB
Publicado
2019-07-21
Como Citar
SALES, Cyntia Mirella Cangussu Fernandes; RODRIGUES, Roberto Nascimento. Espaço rural brasileiro: diversificação e peculiaridades. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 54-65, july 2019. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/247>. Acesso em: 06 may 2021. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.3345145.
Seção
Artigos