Raridade e endemismo da flora em campo rupestre (OCBIL) na Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço

Autores

  • Jéssica Pereira Freire
  • Thaís Ribeiro Costa
  • Pablo Lopes Alves
  • Evandro Luiz Mendonça Machado
  • Anne Priscila Dias Gonzaga

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5508171

Palavras-chave:

Campo Rupestre, Conservação, Endemismo, Raridade

Resumo

As espécies raras e endêmicas são particularmente importantes do ponto de vista da conservação, ecologia e biologia evolutiva. O objetivo do estudo foi avaliar a raridade e endemismo de espécies amostradas em uma área de campo rupestre. Coletaram-se dados em março do ano de 2019 com término no mês de junho do mesmo ano. O método empregado na amostragem foi o qualitativo de caminhamento aleatório. Foi utilizada a metodologia Rabinowitz para segregar as espécies em raras ou comuns, considerando três variáveis: distribuição geográfica, especificidade por habitat e tamanho populacional. Das 100 espécies, 71% apresentaram raridade e 29% foram comuns. Classificou-se 78% das espécies como endêmicas e 22% não endêmicas. Das espécies, 25% foram exclusivas de campos rupestres e 75% ocorreram em outras fitofisionomias. Esta análise colaborou para a compreensão da raridade das espécies da região estudada e pode contribuir para ações de conservação em regiões de Ocbil.

Referências

Ambrizzi, T., Araujo M., (2014). Base científica das mudanças climáticas. Contribuição do Grupo de Trabalho 1 do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas ao Primeiro Relatório da Avaliação Nacional sobre Mudanças Climáticas. COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro.

APG IV. (2016). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society. v.181. Disponivel em: . Acessado em 09/07/2021 as 13:41:00.

Arruda, D.M, Schaefer, C.E.G.R, Fonseca, R.S., (2018). Vegetation cover of Brazil in the last 21 ka: new insights into the Amazonian refugia and Pleistocenic arc hypotheses. Global Ecology and Biogeography 27:47–56. https:// doi.org/10.1111/geb.12646

Azevedo AA, Silveira FA, Aguiar CML, Pereira VS. (2008). Fauna de abelhas (Hymenoptera, Apoidea) nos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço (Minas Gerais e Bahia, Brasil): riqueza de espécies, padrões de distribuição e ameaças para conservação. Megadiversidade 4 (1-2): 126-157.

Cruz, A. C. R; Nunes-Freitas, A. F; Costa, F. N. (2018). Ericaceae na região central da Cadeia do Espinhaço, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, v. 69, p. 1789-1797.

Fernandes, E. A.; Cunha, N. R. D. S.; Silva, R. G. D. (2005). Degradação ambiental no Estado de Minas Gerais. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 43, n.1, p.179-198.

França, F.; Melo, E. DE; Santos, C. C. DOS. (1997). Flora De Inselbergs Da Região De Milagres , Bahia, Brasil: I. Caracterização da vegetação e Lista de Espécies de dois inselbergs. Collections, v. n.17, p. 163–176.

Giulietti, A.M., Pirani, J.R., Harley, R.M., (1997). Espinhaco range region, Eastern Brazil. In: Davis, S.D., Heywood, V.H., Herrera-MacBryde, O., Villa-Lobos, J., Hamilton, A.C. (Eds.), Centres of Plant Diversity. A Guide and Strategy for eir Conservation, 3. IUCN Publications Unit, Cambridge, UK.

Giulietti, N.; Giulietti, A. M.; Pirani, J. R.; Menzes, N. L. (1987). Estudos em sempre-vivas: importância econômica do extrativismo em Minas Gerais, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 1, n. 2, p. 179-193.

Gontijo BM (2008). Uma geografia para a Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade 4: 7-15.

Gosper CR, Coates DJ, Hopper SD, Byrne M, Yates CJ. (2021a). e role of landscape history in the distribution and conservation of threatened flora in the Southwest Australian Floristic Region. Biological Journal of the Linnean Society, 77–101.

Higuchi P, Silva AC, Bucke JC, Mantovani A, Bortoluzzi RLC, Ziger AA. (2013). Influência do clima e de rotas migratórias de espécies arbóreas sobre o padrão fitogeográfico de florestas na região sul do Brasil. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 23, n. 4, p. 539-553.

Hopper SD, Silveira FAO, Fiedler PL. (2016). Biodiversity hotspots and Ocbil theory. Plant and Soil 403: 167–216.

Lima, L. P. Z. et al. (2011). Análise da vulnerabilidade natural para implantação de unidades de conservação na microrregião da serra de Carrancas, MG. Cerne, Lavras, v. 17, n. 2.

Martinelli, G; Moraes, M. A. (2013). Livro vermelho da flora do Brasil.

Morandi, D. T.; et al. (2020). Delimitation of ecological corridors between conservation units in the Brazilian Cerrado using a GIS and AHP approach. Ecological Indicators, v. 115, p. 106440.

Rabinowitz, D., Cairins, S. Dillon, T. (1986). Seven forms of rarity and their frequency in the flora of the British Isles. Michael E. Soulé (ed). Conservation Biology: e Science of Scarcity and Diversity. Sinauer Associates, Michigan, pp. 182-204.

Rapini, A., Ribeiro, P. L., Lambert, S., Pirani, J. R. (2008). A flora dos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade, 4(1-2), 16-24.

Reis, A. F., Schmiele, M., (2019). Características e potencialidades dos frutos do Cerrado na indústria de alimentos. Revista Brasileira de Tecnologia de Alimentos, 22.

Sá Júnior, A. (2012). Aplicação da Classificação de Köppen para o Zoneamento Climático do Estado de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado em Engenharia Agrícola, Universidade Federal de Lavras.

Silveira Fao, Dayrell RLC, Fiorini CF, Negreiros D, Borba EL. (2020). Diversification in ancient and nutrientpoorneotropical ecosystems: how geological and climatic buffering shaped plant diversity in some of the world’s neglected hotspots. In: Rull V, Carnaval AC, eds. Neotropical diversification: patterns and processes. Cham: Springer International Publishing, 329–368.

Silveira Fao, Negreiros D, Barbosa Nu, Buisson E, Carmo F, Carstensen D, Conceição A, Cornelissen T, Echternacht L, Fernandes GW, Garcia Q, Guerra T, Jacobi C, Lemos-Filho J, Le Stradic S, Morellato L, Neves F, Oliveira R, Schaefer C, Viana P, Lambers H. (2016). Ecology and evolution of plant diversity in the endangered campo rupestre: a neglected conservation priority. Plant and Soil 403: 129–152.

Silveira, F. A. O. et al. (2015). Ecology and evolution of plant diversity in the endangered campo rupestre: a neglected conservation priority. Plant and Soil.

Silveira, F. A., Negreiros, D., Barbosa, N. P., Buisson, E., Carmos, F. F., Carstensen, D. W.; GARCIA, Q. S. (2016). Ecology and evolution of plant diversity in the endangered campo rupestre: a neglected conservation priority. Plant and soil, 403 (1-2), 129-152.

Barbosa, N. P. U. et al. (2010). Distribution of non-native invasive species and soil properties in proximity to paved roads and unpaved roads in a quartzitic mountainous grassland of southeastern Brazil (rupestrian fields). Biol. Invasions, v. 12, n. 11, p. 3745-3755.

Silva, A. C. Solos. In: Silva, A. C.; Sá Fortes, L.C.V.P. e Almeida-Abreu, P.A. (2005) (Ed.) Serra do Espinhaço Meridional: paisagens e Ambientes. Belo Horizonte: O Lutador.

Filgueiras, T.S.; Nogueira, P.E.; Brochado, A.L. & Guala II, G.F. (1994). Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências 12: 39-43.

Quinet, A.; Baitello, J.B.; Moraes, P.L.R. (2014). Lauraceae In: Forzza, R.C. et al. (eds.). Lista de espécies da flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2012/FB008440>. Acesso em 30 Jun 2021.

Carvalho, J. C. (2008). Apresentação. Megadiversidade 4: 5-6. Disponível em: https://www.conservation.org/docs/default-source/brasil/ megadiversidade_espinhaco.pdf Acessado em: 01/07/2021.

Begon, M. Colin, R. Townsed, J. L. H. Fourth ed. (2006) From Individuals to Ecosystems.

Downloads

Publicado

11-10-2021

Edição

Seção

Artigos