Avaliação da estrutura trófica da avifauna em áreas de savana tropical (cerrado) no Espinhaço Meridional

Autores

  • Lelis Vaz Leite de Oliveira
  • Lemuel Olívio Leite
  • Leonardo Guimarães
  • André Rinaldo Senna Garraffoni
  • Thaís Ribeiro Costa
  • Cristiane Coelho de Moura
  • Anne Priscila Dias Gonzaga
  • Evandro Luiz Mendonça Machado

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5130631

Palavras-chave:

Estrutura trófica, Campos Rupestres, Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço

Resumo

Impactos ambientais podem ser captados por meio da riqueza e da estrutura trófica da avifauna. Foram amostradas três áreas em diferentes estados de conservação no Espinhaço Meridional, sendo registrado: as aves, com sua respectiva guilda alimentar e mensurado o status de degradação e a estrutural da paisagem. Foram realizadas 15 visitas, sete amostragens na estação seca (abril a outubro) e oito na estação chuvosa (novembro a março), totalizando 360 horas de esforço amostral. Os principais resultados indicam: um perfil faunístico com predominância de insetívoros, frugívoros e onívoros nas áreas e nas estações e elevada similaridade. Podemos concluir que a avifauna indica uma tendência a apresentar maior plasticidade e amplitude ambiental em ambientes savanicos.

Referências

Abreu Filho, A. P. ; Costa, C. R. ; Gomes, I.R. ; Viana, A. J. S. ; Tassinari, D. ; Vidal-Torrado, P. ; Silva, A. C. (2021). Os solos e a evolução de paisagens na Serra do Espinhaço Meridional, Brasil. Revista Espinhaço,10(1).

Aleixo A. (1999). Effects of selective logging on a bird community in the Brazilian Atlantic Forest. Condor, 101, p.537-548.

Almeida-Abreu P.A. (1996). O Caminho das Pedras. Geonomos, v.4, n.1, p.77-93.

Andrade M.A. (1997). Aves Silvestres de Minas Gerais. Belo Horizonte: CIPA.

Athiê S.; Dias M.M. (2012). Frugivoria por aves em um mosaico de Floresta Estacional Semidecidual e reflorestamento misto em Rio Claro, São Paulo, Brasil. Acta Botânica Brasileira, 26(1), p.84-93.

Ausden M. (2004). Habitat management. In: Sutherland WJ.; Newton I.; Green RE. (eds.). Bird Ecology and Conservation – A handbook of techniques. Techniques in Ecology & Conservation Series, Oxford University Press, Oxford, USA, p.329-369.

Brower J.E.; Zar J.H. (1984). Field & laboratory methods for general ecology. 2 ed. Wm. C. Brown Publishers, Dubuque, Iowa, 226p.

Campos J.R.R. (2009). Caracterização, mapeamento, volume de água e estoque de carbono da turfeira da Área de Proteção Ambiental Pau-de-Fruta, Diamantina/ MG. Dissertação de Mestrado. UFVJM/MG.

Carrara LA.; Faria LCP.; Garcia FI.; Antas PTZ. (2013). Avifauna da Estação Ecológica Estadual de Acauã e chapadas do alto do vale do rio Jequitinhonha: ecótono de três biomas em Minas Gerais. Ornithologia, 5(2), p.58-77.

CBRO - Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. (2014) Lista das Aves do Brasil, 11ª Edição, 1/1/2014. http://www.cbro.org.br. Acesso em: 04/01/2014.

Foresto E.B. (2008). Levantamento florístico dos estratos arbustivo e arbóreo de uma mata de galeria em meio a campos rupestres no Parque Estadual do Rio Preto, São Gonçalo do Rio Preto. Dissertação de Mestrado. USP/SP.

Franchin A.G. (2009). Avifauna em áreas urbanas brasileiras, com ênfase em cidades do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba. Tese de Doutorado. UFU/MG.

Franchin A.G.; Juliano R.F.; Kanegae M.F.; Marçal Júnior O. (2008). Birds in the Tropical Savannas. In: Del Claro K.; Oliveira PS.; Rico-Gray V.; Barbosa AAA.; Bonet A. (eds.) International Commission on Tropical Biology and Natural Resources in Encyclopedia of Life Support Systems (EOLSS), Developed under the Auspices of the UNESCO, Eolss Publishers, Oxford, UK.

Furness R.W.; Greenwood J.J. (1993). Birds as monitors of environmental change. Chapman & Hall, London.

Ganem R.S.; Drummond J.A. (2011). Biologia da Conservação: As bases científicas da proteção da biodiversidade. In: Ganem RS. (org.) Conservação da Biodiversidade, Legislação e Políticas Públicas.

Gimenes M.R.; Anjos L. (2003) Efeitos da fragmentação florestal sobre as comunidades de aves. Acta Scientiarum, Biological Sciences, 25(2), p.391-402.

Guilherme E.; Cintra R. (2001). Effects of intensity and age of selective logging and tree girdling on an understorey bird community composition in central Amazonia, Brazil. Ecotropica, 7, p.77-92.

Gwynne J.A.; Ridgely RS.; Tudor G.; Argel M. (2010). Aves do Brasil – Pantanal e Cerrado. Wildlife Conservation Society. Ed. Horizonte. 2010.

Hammer Ø.; Harper DAT.; Ryan PD. (2001). PAST: Palaeontological Statistics so ware package for education and data analysis. Palaeontologia Electronica, 4(1), p.9.

Henriques L.M.P.; Wunderle JR J.M.; Oren D.C.; Willig M.R. (2008). Efeitos da exploração madeireira de baixo impacto sobre a comunidade de aves de sub-bosque na Floresta Nacional do Tapajós, Pará, Brasil. Acta Amazonica, 38(2), p.267-290.

Horta A.; Dias B.; Santo C.V.E.; Costa CR.; Furlani C.; Hermann G.; et al. (orgs). (2002) Cerrado e Pantanal. p.175-214.

Johns A.G. (1996). Bird population persistence in Sabahan logging concessions. Biological Conservation, 75, p.3-10.

Leopold L.B.; Clarke F.E.; Hanshaw B.B.; Balsley R. (1971). A procedure for evaluating environmental impact; US Geological Circular 645 – N71 –36757; Washington: DC, US Dept. of the Interiore; Geol. Survey. In: Conservation of Natural Resources.

Levey D.J. (1988). Spatial and temporal variation in Costa Rican fruit and fruit-eating bird abundance. Ecological Monographs, 58, p.251-269.

Marques I.C. (2012). Uso de composto orgânico e espécies do cerrado na revegetação de área remanescente da extração de cascalho em Diamantina/MG. Dissertação de Mestrado. UFVJM/MG.

Mason D.; iollay J.M. (2001). Tropical forestry and the conservation of Neotropical birds. p. 167-191.

Mcgarigal K.; Marks B.J. (1995). Fragstats: spatial patterns analysis program for quantifiying landscape structure. Portland: USDA, Forest Service, Pacific Northwest Research Station, 122p.

Metzger J.P. (2010). O código florestal tem base científica? Natureza & Conservação, 8(1), p. 1-5.

Metzger J.P.; Alves L.F.; Goulart G.; Teixeira A.M.G.; Simões S.J.C.; Catharino E.L.M. (2006). Uma área de relevante interesse biológico, porém pouco conhecida: a Reserva Florestal do Morro Grande. Biota Neotropica, 6(2).

Motta-júnior J.C. (1990). Estrutura trófica e composição das avifaunas de três ambientes terrestres na região central do estado de São Paulo. Ararajuba, 1, p.65-71.

Myers N.; Mittermeier R.A.; Mittermeier C.G.; Fonseca G.A.B.; Kent J. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403, p.853-858.

Neves S.C.; Abreu P.A.A.; Fraga L.M.S. (2005). Fisiografia, In: Silva AC.; Pedreira L.C.V.S.F.; Abreu P.A.A. Serra do Espinhaço Meridional, Paisagens e Ambientes. Belo Horizonte: O Lutador: 47-58.

Oliveira CM.; Frizzas M.R. (2008). Insetos de Cerrado: distribuição estacional e abundância. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 216, p.1-26.

Oliveira P.E.A.M. (2008). Fenologia e biologia reprodutiva das espécies de Cerrado, p. 273-290, vol. 1. Brasília/DF: Embrapa Cerrados.

Pereira J.A.A. (2003). Efeitos dos impactos ambientais e da heterogeneidade ambiental sobre a diversidade e estrutura da comunidade arbórea de 20 fragmentos de florestas semidecíduas da região do Alto Rio Grande, Minas Gerais. 156 p. Tese de Doutorado. UFMG/MG.

Piratelli A.J.; Pereira M.R. (2002). Dieta de aves na região leste de Mato Grosso do Sul. Ararajuba, v.10, n.2, p.131-139.

Pivatto M.A.C.; Sabino J. (2007). O turismo de observação de aves do Brasil: breve revisão bibliográfica e novas perspectivas. Atualidades Ornitológicas, 139, p.10-13.

Poulin B.; Lefebvre G.; Mcneil R. (1994). Characteristics of feeding guilds and variation in diets of bird species of three adjacent tropical sites. Biotropica, v.26, p.187-197.

Restrepo C.; Renjifo L.M.; Marples P. (1997). Frugivorous birds in fragmentedneotropical montane forests: landscape pattern and body mass distribution. Chicago: e University of Chicago Press,12: 171-189.

Ribeiro K.T. (2006). Quem causa os incêndios florestais – o tempo seco ou o fósforo aceso? Disponível em: . Acesso em: 03/07/2013.

Santos R.M.; Vieira FA. (2005). Análise estrutural do componente arbóreo de três áreas de Cerrado em diferentes estádios de conservação no município de Três Marias, Minas Gerais, Brasil. Revista Cerne, 4(11), p.399-408.

Sekercioglu C.H.; Ehrlich PR.; Daily G.C.; Aygen D.; Goehring D.; Sandí R.F. (2002). Disappearance ofinsectivorous birds from tropical forest fragments. PNAS, 99, p.263-267.

Sick H. (1997). Ornitologia brasileira. Edição revista e ampliada por José Fernando Pacheco. Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro.

Silva A.C. (2005). Solos. In: Silva AC.; Pedreira LCVSF.; Almeida Abreu PA. Serra do Espinhaço Meridional: Paisagens e Ambientes. Belo Horizonte: O Lutador: 50-78.

Silva J.M.C. (1986). Estrutura trófica e distribuição ecológicada avifauna de uma floresta de terra firme na Serra dos Carajás, estado do Pará. Em: Congresso Brasileiro de Zoologia, 13, Cuiabá. Resumos, Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso. 189p.

Sodhi N.S.; Koh L.P.; Brook B.W.; NG P.K.L. (2004). Southeast Asian biodiversity: an impending disaster. Trends Ecology Evololution, 19, p.654–660.

iollay JM. (1992). Influence of selective logging on bird species diversity in a Guianan rain forest. Conservation Biology, 6, p.47-63.

Vasconcelos M.F. (2008). Mountaintop endemism in eastern Brazil: why some bird species from campos rupestres of the Espinhaço Range are not endemic to the Cerrado region? Revista Brasileira de Ornitologia, 16(4), p. 348–362.

Vasconcelos M.F.; D’angelo-Neto S.; Rodrigues M. (2002). A range extension for the Cipó Canastero Asthenes luizae and the consequences for its conservation status. Bulletin of the British Ornithologists’ Club, 122, p.7-10.

Viana V.M.; Tabanez A.A.J.; Batista J.L.F. (1997). Dynamics and restoration of forest fragments in the Brazilian Atlantic moist Forest. In: Laurance WF.; Bierregard RO. (eds). Tropical forest remnants: ecology management and conservation of fragmented communities. Chicago: University of Chicago Press. p. 351-365.

Vieira F.M.; Purificação K.N.; Castilho L.S.; Pascotto M.C. (2013). Estrutura trófica da avifauna de quatro fitofisionomias de Cerrado no Parque Estadual da Serra Azul. Ornithologia, 5(2), p. 43-57.

Vielliard J.M. (1995a). Canto de aves do Brasil. Campinas, Sociedade Brasileira de Ornitologia, CD.

Vielliard J.M. (1995b). Guia sonoro das aves do Brasil. Campinas, Sociedade Brasileira de Ornitologia, Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, CD 1.

Villanueva R.E.V.; Silva M. (1996). Organização trófica da avifauna do Campus da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC. Biotemas, 9(2), p. 57-69.

Willis E.O. (1976). Effects of a cold wave on an Amazonian avifauna in the upper Paraguay drainage, western Mato Grosso, and suggestions on Oscine-Suboscine relationships. Acta Amazônica, 6, p. 379-394.

Zar J.H. (2010). Biostatistical Analysis. 5nded. New Jersey, Prentice-Hall, 944p.

Downloads

Publicado

11-10-2021

Edição

Seção

Artigos