Prática de ensino não formal: exposição cultural como espaço formativo

Autores

  • Jussiara Dias dos Santos
  • Leomar Moreira Rodrigues
  • Evandro Luiz Mendonça Machado
  • Marcelino Santos de Morais
  • Anne Priscila Dias Gonzaga
  • Danielle Piuzana Mucida

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.5127634

Palavras-chave:

Biodiversidade, Educação Ambiental, Geodiversidade, Naturalistas, Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço

Resumo

Este trabalho apresenta a exposição (Re)visitando a Paisagem Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço (RBSE) com Martius e Spix (1818-2018), realizada em Diamantina entre 2018/2019, como uma prática de ensino em ambiente não formal. A exposição consistiu em banners com informações das paisagens descritas pelos naturalistas Spix e Martius pela RBSE e em práticas sensoriais imergiram os visitantes ao século XIX. Temas abordados como conservação da natureza, degradação ambiental, geodiversidade e biodiversidade regional estão previstos na Base Nacional Comum Curricular nas áreas de Geografia, Ciências, História (ensino fundamental) e Ciências Humanas (ensino médio). Cerca de 2.300 pessoas visitaram a exposição, sendo 450 estudantes da educação básica e 180 do ensino superior. Desenvolvemos práticas como pinturas, dobraduras em papel e o plantio de sementes de espécies nativas do Cerrado descritas na obra Flora Brasiliensis aos finais das visitas. Essas atividades lúdicas desenvolveram-se com entusiasmo por professores e estudantes visitantes.

 

Referências

Andrade M.A.; Martins C.S.; Domingues S.A. (Org.). (2015). Primeira Revisão periódica da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço. MaB-UNESCO, Belo Horizonte, Minas Gerais.

Arévalo G.A.J.; Soledispa A.E.P.; Reyes P.P.E. (2019). Museos temáticos como recurso didáctico para la enseñanza y aprendizaje de las Ciencias Sociales. Conrado, 15(66): 116-122. Disponível em: https://conrado.ucf.edu.cu/ index.php/conrado/article/view/888. Acesso em: 30 Jun. 2021

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: versão final. Brasília. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/

BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 18 jun. 2021.

Costa S.L.; Menezes R.S.; Mucida D.P. (2019). Roteiro de uso do Google Earth como proposta complementar ao ensino-aprendizagem da cartografia no ensino básico. Geomae, 10(2): 92-108. Disponível em: http://www.fecilcam.br/revista/ index.php/geomae/article/view/2005. Acesso em: 11 jun. 2021

Fernandes G.W. Barbosa N.P.U.; Alberton B.; Barbieri A.; Dirzo R.; Goulart F.; Guerra T.J.; Morellato L.P.C., Solar RRC. 2018. e deadly route to collapse and the uncertain fate of Brazilian rupestrian grasslands. Biodiversity and Conservation, 27(10): 2587-2603. https://doi.org/10.1007/s10531-018-1556-4

Freire P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Coleção Leitura. Paz e Terra, São Paulo, Brasil.

Gonzaga A.P.D.; Mucida D.P.; Machado E.L.M.; Morais M.S. (2018). (Re)visitando a paisagem da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço com Martius e Spix (1818-2018). UFVJM, 49p. Disponível em: https://martiusspix.wixsite.com/ martiusspix-2018/livreto. Acesso em: 13 Mai. 2021.

Hellqvist M. (2019). Teaching Sustainability in Geoscience Field Education at Falun Mine World Heritage Site in Sweden. Geoheritage,11:1785–1798. https:// doi.org/10.1007/s12371-019-00387-w

King C. (2008). Geoscience education: an overview. Studies in Science Education, 44(2):187-222. https://doi.org/10.1080/03057260802264289

Meneses J.N.C. (2018). Picadas estreitas e largos horizontes do saber. Spix e Martius e o conhecimento sobre as Minas Gerais do Oitocentos. In: Gonzaga APD; Mucida D.P.; Machado E.L.M.; Morais M.S. 2018. (Re)visitando a paisagem da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço com Martius e Spix (1818-2018). UFVJM, 49p. Disponível em: https://martiusspix.wixsite.com/martiusspix-2018. Acesso em: 13 Mai. 2021.

Minas Gerais. (2021). Currículo Referência de Minas Gerais. Disponível em: https://curriculoreferencia.educacao.mg.gov.br/. Acesso em: 20 Mai. 2021.

Mucida D.P.; Gontijo B.; Morais M.; Fagundes M. (2019). A degradação ambiental em narrativas de naturalistas do século XIX para a reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço. Caderno de Geografia, 29(57): 465-495. https://doi.org/10.5752/ P.2318-2962.2019v29n57p465-495

Neves D.M.; Dexter K.G.; Pennington R.T.; Bueno M.L.; Miranda P.L.S.; Oliveira-Filho A. (2018). Lack of floristic identity in campos rupestres—A hyperdiverse mosaic of rocky montane savannas in South America. Flora 238: 24-31. http:// dx.doi.org/doi:10.1016/j.flora.2017.03.011

O’Neill M.C.; Dufresne-Tasse# C. (2012). Best practices in museum education and cultural programmes. Planning, developing and evaluating a programme. ICOM-CECA. Disponível em: http://bit.ly/2I4FmfB. Acesso em: 11 Jul. 2021

Piuzana D. (2019). Explorando novos sabores: associação azeite e plantas aromáticas no Espinhaço. Revista Geografias, 26: 47–57. Disponível em: https:// periodicos.ufmg.br/index.php/geografias/article/view/16028. Acesso em: 28 Jun. 2021

Santos J.D.; Mucida D.P.; Gonzaga A.P.D., França, L.C.J., Meneses E.S. (2020). Do século XIX ao XXI: Estudo comparativo da vegetação primitiva pelo olhar de Saint-Hilaire e fitofisionomias atuais. Finisterra, 55(113): 117-134. 10.18055/ Finis17881.

Santos S.C.S.; Cunha M.B. (2019). A tradição de pesquisa segundo Laudan em educação em espaços não formais num evento de ensino de ciências. Góndola, enseñanza y aprendizaje de las ciencias, 14(1): 88-107. http:// doi.org/10.14483/23464712.13369

Scotti M.C.A.; Travassos L.E.P. (2019). O carste nos relatos da viagem de Spix e Martius ao Brasil no século XIX e o desenvolvimento do geoturismo. Geografia (Londrina), 28(1): 27-46. 10.5433/2447-1747.2019v28n1p27.

Silveira, F.A.O.; Negreiros D.; Barbosa N.P.U., Buisson E., Carmo F.F., Carstensen, D.W., ... e Lambers H. (2016). Ecology and evolution of plant diversity in the endangered campo rupestre: a neglected conservation priority. Plant and Soil 403(1):129-152. https://doi.org/10.1007/s11104-015-2637-8

Spix J.B.V.; Martius K.F.P.V. (1981) [1823]. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. 3vol. Itatiaia, Belo Horizonte, Brasil.

Tišliar P. (2017). e Development of Informal Learning and Museum Pedagogy in Museums. European Journal of Contemporary Education, 6(3): 586-592. 10.13187/ejced.2017.3.586

Downloads

Publicado

11-10-2021

Edição

Seção

Artigos