Delimitação automática e quantificação das Áreas de Preservação Permanente de encosta para o município de Diamantina, Minas Gerais, Brasil

Autores

  • Luciano Cavalcante de Jesus França
  • Danielle Piuzana Mucida
  • Marcelino Santos de Morais
  • Eduarda Soares Menezes
  • Daniela Torres Morandi

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.3952853

Palavras-chave:

Código Florestal Brasileiro, Modelo Digital de Elevação, Vale do Jequitinhonha, Sistema de Informações Geográficas

Resumo

A legislação ambiental é considerada importante ferramenta jurídica de prevenção de danos ambientais e embasamento para uso de práticas ambientalmente corretas. O Código Florestal Brasileiro, instituído pela Lei Federal nº 12.651/2012, é extremamente importante no contexto ambiental do Brasil, com grandes repercussões para as Áreas de Preservação Permanente (APP’s). O presente estudo objetivou mapear as APP’s de encostas do município de Diamantina, MG, por meio de ferramentas do Sistema de Informações Geográficas. A delimitação foi realizada com auxílio do software ArcGis 10.3.1, a partir de imagens raster da base Modelo Digital de Elevação, que gerou a carta de declividade do terreno e o mapa final com as APP’s de declive > 45º. O resultado final foi relacionado aos parâmetros físicos da paisagem. As informações contribuíram na compreensão da vulnerabilidade ambiental de áreas, assim como a carta final de APP’s delimitadas, foi analisada sobre o mapa de cobertura e uso da terra a partir de imagens RapidEye de 2015. Contabilizou-se que 96,80 km², cerca de 2,63%, da área total do município são classificadas como APP’s de Encostas. Esta delimitação pode servir de instrumento e ferramenta estratégica para ações de gestão e ordenamento territorial e ambiental do município.

Referências

Abreu AA. 1982. Análise Geomorfológica: reflexão e aplicação (Uma contribuição ao conhecimento das formas de relevo do Planalto de Diamantina- MG). Tese de Livre Docência. Universidade de São Paulo: São Paulo.

Alencar GV. 2016. Novo Código Florestal Brasileiro: Ilustrado e de fácil entendimento. Vitória: Ed. do autor.

Alvares RP, Henkes JA. 2012. Áreas de Preservação Permanentes em encostas: delimitação através de dados SRTM. Rev. Gest. Sust. Ambient. 1(1): 198-254. [online] URL: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v1e12012198-254

Arnesen A, Genofre F, Curtarelli M, Ferreira M. 2015. Sensoriamento remoto e SIG: aplicados ao novo Código Florestal. Instituto de Estudos Pecuários – IEPEC, 16p. Augustin CHRR, Fonseca BM, Rocha LC. 2011. Mapeamento geomorfológico da Serra do Espinhaço Meridional: primeira aproximação. Geonomos 19 (2): 50-69. [online] URL: http://www.igc.ufmg.br/portaldeperiodicos/index.php/geonomos/article/view/41

BRASIL. 2012. Lei nº. 12.651, de 25 de maio de 2012. [online] URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20112014/2012Lei/L12651.html

Chemale Jr F, Dussin IA, Martins M, Santos MN. 2011. Nova abordagem tectono-estratigráfica do Supergrupo Espinhaço em sua porção meridional (MG). Geonomos 19(2): 173-41. [online] URL: https://igc.ufmg.br/portaldeperiodicos/index.php/geonomos/article/view/52/32

Crepani E, Medeiros JS, Filho PH, Florenzano TG, Duarte V, Barbosa CCF. 2001. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico– econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: INPE 124p [online] URL: http://www.dsr.inpe.br/laf/sap/artigos/CrepaneEtAl.pdf

Dunn M, Hickey R. 1998. The effect of slope algorithms on slope estimates within a GIS. Cartography, 27(1): 9-15. [online] URL: https://doi.org/10.1080/00690805.1998.9714086

Embrapa. 1979. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. Rio de Janeiro SNLCS.

ESRI. 2015. ArcGIS 10.3.1: GIS by ESRI. Califórnia, EUA.

Feistauer D, Lovato PE, Siminski A, Castilho ACC. 2017. Uso de indicadores baseados na legislação ambiental brasileira para análise de propriedades rurais familiares da Amazônia. Ciência Florestal 27(1): 249-262. [online] URL: https://dx.doi.org/10.5902/1980509826463

Fernández D, Barquín J, Álvarez-Cabria M, Peñas J. 2014. Land-use coverage as an indicator of riparian quality. Ecological Indicators 41: 165-174, [online] URL: http://dx.doi.org/10.1016/j.ecolind.2014.02.008

França LCJ. 2018. Fragilidade ambiental potencial da bacia hidrográfica do rio Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil. Dissertação Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina.

França LCJ, Silva JBL, Lisboa GS, Piuzana D, Morais Júnior VTM, Cerqueira CL, Amaral LP. 2018. Mapeamento das Áreas de Uso Restrito (AUR) segundo o novo código florestal brasileiro para uma bacia hidrográfica do Piauí, Brasil. In: Alfaro, ATS, Trojan DG. Agronomia: Elo da Cadeia Produtiva. Editora Atena, 363-378.

[online] URL: http://www.academia.edu/35798485/MAPEAMENTO_DAS_%C3%81REAS_DE_USO_RESTRITO_AUR_SEGUNDO_O_NOVO_C%C3%93DIGO_FLORESTAL_BRASILEIRO_PARA_UM_BACIA_HIDROGR%C3%81FICA_DO_PIAU%C3%8D_BRASIL

França LCJ, Silva JBL, Piuzana D, Lisboa GS, Lopes JWB, Rocha SJSS, Morais Júnior VTM. 2017. Metodologia para delimitação de Áreas de Preservação Permanente (APP) de encostas em uma bacia hidrográfica. In: Alfaro ATS, Trojan DGA. Descobertas das ciências agrárias e ambientais. Atena Editora.

Francelino MR, Silva J. A. 2014. Impacto da inclinação média na delimitação de Área de Preservação Pernamente. Floresta e Ambiente 21(4): 441-448. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.060913

Guimarães AQ. 2017. Planejamento, desenvolvimento territorial e as diretrizes para o desenvolvimento do Vale do Jequitinhonha. Revista Espinhaço 6 (2): 2-14. [online] URL: http://www.revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/ view/170

Jacovine LA, Corrêa JB, Silva ML, Valverde SR, Fernandes Filho EI, Coelho, France MG, Paiva HN. 2008. Quantificação das áreas de preservação permanente e de reserva legal em propriedades da bacia do Rio Pomba-MG. Revista Árvore 32 (2): 269-278. https://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000200010

Luedeling E, Siebert S, Buerkert A. 2007. Filling the voids in the SRTM elevation model A TIN-based delta surface approach. ISPRS Journal of Photogrammetry & Remote Sensing 62 (4): 283-294. [online] URL: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S09242716 07000433

Miranda EE. 2005. Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite. [online] URL: http://www.relevobr.cnpm.embrapa.br

Morais MS, Gontijo BM, Piuzana D. 2016. Análise temporal do uso e ocupação do terreno do Parque Estadual do Biribiri e de sua Zona de Amortecimento, município de Diamantina, Minas Gerais. Caderno de Geografia 26(46): 362-381. [online] URL: http://periodicos.pucminas.br/index.php/geografia/article/vi ew/10644

Pinheiro AP, Piazza GA, Alves TC, Aguida LM, Kaufmann V, Gotardo R. 2014. Qualidade das águas de uma bacia protegida por florestal ombrófila densa. Revista Brasileira de Recursos Hídricos 19(1): 101-117. http://dx.doi.org/10.21168/rbrh.v19n1.p101-117

Oliveira MJ. 2002. Proposta Metodológica para Delimitação Automática de Áreas de Preservação Permanente em Topos de morro e em Linha de Cumeada. Dissertação Universidade Federal de Viçosa. Viçosa.

Oliveira CDC, Borges LAC, Acerbi Júnior FW. 2018. Land use in Permanent Preservation Areas of Grande River (MG) Floresta e Ambiente. 25 (2). http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.023015

Oliveira GC, Fernandes Filho, EP. 2016. Automated mapping of permanente preservation áreas on hilltops. Cerne 22 (1): 111-120. http://dx.doi.org/10.1590/01047760201622012100

Ribeiro CAAS, Soares VP, Oliveira AMS, Gleriani JM. 2005. O desafio da delimitação de Áreas de Preservação

Permanente. Árvore 29 (2): 203-212. [online] URL: http://www.redalyc.org/html/488/48829204/

Ribeiro EM, Galizoni FM. 2000. Sistemas Agrários, recursos naturais e migrações no alto Jequitinhonha, Minas Gerais. In: Torres H, Costa HSM. População e meio ambiente: debates e desafios. São Paulo: SENAC.

Ribeiro F, Walter BMT. 2008. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: Sano S M, Almeida SP, Ribeiro F (Ed.). Cerrado: ecologia e flora. Embrapa, Brasília 151-212.

Ross JLS. 1994. Análise Empírica da Fragilidade dos Ambientes Naturais e Antropizado. Revista do Departamento de Geografia 8: 24-30. http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47327

Saadi AA. 1995. Geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e de suas Margens. Geonomos 3(1): 41-63, [online] URL: http://dx.doi.org/10.18285/geonomos.v3i1.215

Silva ACF, Pedreira LC, Abreu PA. (Eds.). 2005. Serra do Espinhaço Meridional. Paisagens e Ambientes. Belo Horizonte.

Spörl C, Ross JLS. 2004. Análise comparativa da Fragilidade Ambiental com Aplicação de Três Modelos. GEOUSP -

Espaço e Tempo 15: 39-49. http://dx.doi.org/10.11606/issn.21790892.geousp.2004.1238 68

Tonello KC, Dias HCT, Souza AL, Ribeiro, CAAS, Leite FP. 2006. Morfometria da bacia hidrográfica da cachoeira das Pombas, Guanhães – MG. Revista Árvore, 30(5): 849-857. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622006000500019

Valadão RC. 1998. Evolução de longo-termo do relevo do Brasil Oriental: desnudação, superfície de aplanamento e movimentos crustais. Tese Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Downloads

Publicado

06-12-2018

Edição

Seção

Artigos