Construção e demolição civil na cidade de Espinosa, Minas Gerais: mapeamento dos pontos de disposição de resíduos

Autores

  • Aliny Cristiany Cardoso de Sá
  • Gilberto Camargos Sá
  • Ertz Ramon Teixeira Campos
  • Francisco Malta de Oliveira
  • Érica Rodrigues Benjamim Silva
  • Humberto Gabriel Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.5281/zenodo.3952844

Palavras-chave:

Resíduos de Construção, Espinosa-MG, Ambiente

Resumo

O impulso no crescimento de qualquer país desenvolvido, passa pela construção civil. Tendo o poder de mudar a paisagem, trazendo benefícios econômicos e sociais para a população, bem como auxiliar na geração de emprego e na qualidade de vida. Os problemas ambientais na cidade de Espinosa/MG merecem serem estudados, uma vez que, os resíduos sólidos provenientes da construção civil não estão sendo destinados de maneira técnica e consciente. Esta pesquisa foi baseada em revisões bibliográficas, visitas de campo, comparação de imagens de satélite, fotografias, laudos técnicos de órgãos municipais e entrevistas com autoridades da área. Foram realizadas visitas a pontos irregulares de lançamento de resíduos, com o objetivo de retratar in loco a disposição dos RCC. Este trabalho buscou mapear os pontos de descarte, para mostrar quanto à urbanização da cidade tem mudado a paisagem e ocasionando danos ambientais, podendo ser subsídios para as autoridades governamentais na resolução do problema.

Referências

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10004:2004. Resíduos da construção civil sólidos. Diretrizes para projeto, implantação e operação. Rio de Janeiro: ABNT. [online] URL: https://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=936.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. 2002. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução Nº 307, de 5 de julho de 2002. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Habitação. Publicada no Diário Oficial da União em 17/07/2002. [online] URL:http://www.mma.gov.br/estruturas/a3p/_arquivos/36_ 09102008030504.pdf.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Lei de crimes ambientais nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, nº 122, 02 de agosto de 2010. Seção 1, p. 63. [online] URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

D’Oliveira MCPE. 2015. Sistema de apoio à decisão aplicado ao Gerenciamento dos Resíduos de Construção Civil – Ferramenta Gir@Ssol. Dissertação Universidade Federal do Tocantins. Palmas. [online] URL: http://hdl.handle.net/11612/90.

Da Silva OH, Umada MK, Polastri P, De Angelis Neto G, De Angelis BLD, Miotto JL. 2015. Etapas do gerenciamento de resíduos da construção civil. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental. Ed. Santa Maria, 2015, Vol. 19, p. 39-48. Especial GIAU-UEM, Maringá-PR. [online] URL: https://periodicos.ufsm.br/reget/article/viewFile/20558/pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. 2015. Contas Nacionais Trimestrais: Indicadores de Volume e Valores Correntes - outubro / dezembro 2014. Brasília. [online] URL: ftp://ftp.ibge.gov.br/Contas_Nacionais/Contas_Nacionais_T rimestrais/Fasciculo_Indicadores_IBGE/2017/pib-vol-val_201702caderno.pdf.

Lakatos EM, Marconi MA. 2010. Metodologia do trabalho científico. 4. Atlas S. A. São Paulo.

Morais GMD. 2006. Diagnóstico da deposição clandestina de Resíduos de Construção e Demolição em bairros periféricos de Uberlândia: Subsídios para uma gestão sustentável. Dissertação Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia. [online] URL: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/14129/1/Dia gnosticoDeposicaoClandestina.pdf.

Nagalli A. 2014. Gerenciamento de resíduos sólidos na construção civil. Oficina de Textos. São Paulo.

Oliveira WN, Rocha VP, Ferreira OM. 2013. Mapeamento dos pontos de disposição de resíduos da construção civil e demolição em Goiânia. Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR. Foz do Iguaçu. [online] URL:http://marte2.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/marte2/2013/05.28.22.25/doc/@sumario.htm.

Pinto T. 2003. Metodologia para a Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos da Construção Urbana. Tese Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo. [online] URL: http://www.mpdft.mp.br/saude/images/Meio_ambiente/Met odologia_gestao_diferenciada.pdf.

Rino CAF, Maran DJ. 2005. Gestão dos resíduos da construção civil no município de Ribeirão Preto. 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. São Paulo. [online] URL: http://ibeas.org.br/III-002.pdf.

Rino CAF. 2004. Proposta de Gestão Sustentável dos Resíduos Sólidos da Construção Civil no Município de Ribeirão Preto/SP. 113f. Dissertação Universidade Federal de São Paulo. Ribeirão Preto. [online] URL: http://www.ietsp.com.br/static/media/media-files/2015/01/23/Dissert_Emerson_Carvalho.pdf

Segato LG, Neto JLS. 2017. Caracterização da geração, destinação final e do gerenciamento dos resíduos da construção civil no município de Palmas – TO. Palmas. [online] URL: http://www.cenedcursos.com.br/upload/gerenciamento-residuos-construcao-civil.pdf.

Silva VG. 2000. Avaliação do desempenho ambiental de edifícios. Qualidade na Construção. São Paulo. n 25. 14-22.

[online] URL: http://www.elecs2013.ufpr.br/wp-content/uploads/anais/2003/2003_artigo_025.pdf.

Soibelman L. 1993. As perdas de materiais na construção de edificações: sua incidência e seu controle. Porto Alegre. [online] URL: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/1701.

Xavier LL, Rocha JC. 2001. Diagnóstico do resíduo da construção civil: início do caminho para o uso potencial do entulho. In: Seminário de Desenvolvimento Sustentável e Reciclagem na Construção Civil: materiais reciclados e suas aplicações, 4. Anais. IBRACON. São Paulo. 57-63. [online] URL: http://repositorio.furg.br/bitstream/handle/1/1645/Anais%20Comite%20CT%20206%20%20IV%20-%20semin%C3%A1rio.pdf?sequence=1.

Downloads

Publicado

06-12-2018

Edição

Seção

Artigos