Percepção de moradores de área de risco na cidade de Rio do Sul, Santa Catarina

  • Bruna Lopes
  • Jackson Rosa
  • Rafaela Dalcanale Araújo
  • Marina Bernardes

Resumo

Conforme o fenômeno da urbanização avançou nas cidades brasileiras, os rios foram “sufocados” pela ocupação desordenada e muitas vezes são considerados como obstáculos para o crescimento das cidades. Uma das cidades que exemplifica essa questão é Rio do Sul em Santa Catarina. A cidade registrou a primeira grande inundação em 1911 e, a partir de então, aconteceram vários episódios do desastre, sendo 15 ocorrências registradas entre os anos de 2010 e 2020. Diante disso, esta pesquisa teve como propósito avaliar a percepção de moradores de área de risco acerca das adversidades que as inundações urbanas acometem no âmbito físico-espacial – tanto na moradia, quanto no bairro. No estudo, discutimos possíveis danos ao bem-estar das pessoas, evidenciados a partir dos relatos dos entrevistados. Os dados foram obtidos por meio de uma Avaliação Pós-Ocupação (APO), realizada a partir de entrevistas com perguntas na escala do bairro e moradia, bem como a partir da coleta de dados do ambiente construído in loco. Os resultados evidenciaram, além dos sentimentos negativos trazidos pelos desastres dessa natureza, o senso de pertencimento e de comunidade entre os moradores. Também foi possível verificar o desinteresse dos proprietários pelo reparo dos danos provenientes das inundações em suas residências, bem como a privação de adquirir mobiliário ou realizar reformas na residência como meio de minimizar os prejuízos causados pelas inundações.

Referências

ALBUQUERQUE F de (1997). A psicologia social dos desastres: existe um lugar para ela no Brasil. In: Trabalho, OrgaTrabalho, Organizações e Culturanizações e Cultura, pp. 95–104.

AMARAL WI do (2017). Arquitetura em tempo: estudo das áreas inundáveis urbanizadas em Eldorado-SP. Universidade de São Paulo.

BARDIN L (2011) Análise de Conteúdo. Edições 7o. São Paulo.

BRASIL (2013). Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Direito à moradia adequada. – Brasília. In: Coordenação Geral de Educação Em SDH/PR, Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção e Defesa Dos Direitos Humanos, p. 13.

COELHO MCN (2001). Impactos Ambientais em Áreas Urbanas–Teorias. Conceitos e Métodos.

DE CASTRO ALC (1998). Glossário de Defesa Civil: estudos de riscos e medicina de desastres. Departamento de Defesa Civil Ministério.

ENGELS F (2015). Sobre a questão da moradia. Boitempo Editorial.

LESTINGUE SR (2004). Olhares de educadores ambientais para o estudo do meio e pertencimento.

LIMA AC (2018). Ocupação urbana em áreas de fragilidade ambiental: estudo de áreas de risco socioambiental no Setor Sol Nascente–DF. Universidade de Brasília.

MATTEDI MA (2008). A abordagem psicológica da problemática dos desastres: um desafio cognitivo e profissional para a psicologia. In: Psicologia: Ciência e Profissão. v. 28, n.1., pp. 162–173.

MORICONI LV (2014). Pertencimento e identidade. Universidade Estadual de Campinas.

MOSER G (2001). Psicologia Ambiental no novo milênio: integrando a dinâmica cultural e a dimensão temporal. In: Panoramas Interdisciplinares Para Uma Psicologia Ambiental Do Urbano, pp. 189–210.

NEPOMUCENO BB et al. (2017). Bem-Estar Pessoal e Sentimento de Comunidade: Um estudo psicossocial da pobreza. Revista Psicologia em Pesquisa 11(1).

PAULA, Simoni Mendes; NODARI, Eunice Sueli; ESPÍNDOLA MA (2014). o crescimento urbano e as enchentes em Blumenau (SC). Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro: 201.

PEREIRA B de S (2017). Aprendendo com desastres naturais: inundações e resiliência, em vila velha/ES. Universidade Federal do Espírito Santo.

POLEZA MM (1997). Mudanças na estrutura urbana de Rio do Sul em decorrência das enchentes de 1983. Universidade Regional de Blumenau.

RHEINGANTZ PA et al. (2009). Observando a qualidade do lugar: procedimentos para a avaliação pós-ocupação. Universidade Federal do Rio de Janeiro.
SÁ, Samantha Dubugras, WERLANG BSG and

PARANHOS ME (2008). Intervenção em crise. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas 4(1): 0–0.

TUCCI CE (2007). Inundações Urbanas. Porto Alegre: ABRH/RHAMA.

VIANA VJ (2016). Gestão de risco de desastres no Brasil: leitura das estratégias locais de redução de riscos de inundação em Nova Friburgo, RJ. Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
Publicado
2020-12-31
Como Citar
LOPES, Bruna et al. Percepção de moradores de área de risco na cidade de Rio do Sul, Santa Catarina. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 111-122, dec. 2020. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/318>. Acesso em: 02 mar. 2021. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.4434375.
Seção
Artigos