Distribuição espacial da população e dados demográficos: uma análise comparativa

  • José Diego Gobbo Alves
  • Álvaro de Oliveira D'Antona

Resumo

A distribuição espacial da população é uma das dimensões da dispersão urbana, fenômeno multifacetado observado nas cidades brasileiras. Estudos recentes destacam a possibilidade de usar dados censitários de população para analisar sua distribuição espacial em diferentes recortes geográficos. Partindo dessa premissa, o propósito deste artigo é comparar a distribuição espacial da população utilizando duas unidades geográficas de disseminação de dados demográficos distintas: Setores Censitários e Grade Estatística. A metodologia é composta em métricas espaciais e da paisagem aplicadas aos Setores Censitários e Grade Estatística de nove municípios da Aglomeração Urbana de Piracicaba. Os resultados mostram que para os estudos da distribuição espacial da população, a Grade Estatística é mais adequada do que os Setores Censitários devido a sua resolução espacial, dimensão e regularidade das células e a possibilidade de melhor identificar padrões e vetores de ocupação espacial, sendo mais sensível às medidas espaciais de dispersão e fragmentação.

Referências

ALVES, J. D. G. 2019a. Dispersão urbana e a atuação do mercado imobiliário em cidades médias: reflexões a partir da cidade de Piracicaba/sp. GEOFRONTER, v. 2, p. 104-124

ALVES, J. D. G. 2019b. Mobilidade espacial da população e urbanização dispersa: regionalização do cotidiano na Aglomeração Urbana de Piracicaba - Sp. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira.

ALVES, J. D. G.; D’ANTONA, A. DE O. 2020. Dispersão e fragmentação urbana: uma análise espacial com base na distribuição da população. Revista Brasileira de Cartografia, v. 72, n. 1, p. 126-141, 30 mar.

BAENINGER, R. 1998. A nova configuração no Brasil: desaceleração metropolitana e redistribuição da população. In: XI ENCONTRODE ESTUDOS POPULACIONAIS, 11, 1998, Caxambu. Anais... Caxambu: Associação Brasileira de Estudos Populacionais, v. 1, p. 729-772

BAENINGER, R. 2012. Fases e faces da migração em São Paulo. 1. ed. Campinas, SP: Núcleo de Estudos de População, v. 1. 152p

BAENINGER, R. 1999. Região, Metrópole e Interior: espaços ganhadores e espaços perdedores nas migrações recentes - Brasil, 1980-1996. 243f. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BUENO, M C. D. 2014. Grade estatística: uma abordagem para ampliar o potencial analítico de dados censitários. Tese de doutoramento. Programa de Pós-Graduação em Demografia, Universidade Estadual de Campinas.

BRUECKNER, J. K. 2000. Urban Sprawl: Diagnosis and Remedies. International Regional Science Review, 23(2), 160–171. https://doi.org/10.1177/016001700761012710

CATALÃO, I. 2015 Dispersão urbana: apontamentos para um debate. Revista Cidades. V. 12, n. 21

CUNHA, J.M.P. et al. 2013. A mobilidade pendular na macrometrópole paulista: diferenciação e complementariedade socioespacial. Cadernos Metrópole, 15 (30).

D’ANTONA, A. O.; BUENO, M. C. 2015a. DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO E DISPERSÃO URBANA NO ESTADODE SÃO PAULO, 2010. In OJIMA, R.; MARANDOLA Jr, E. (Org.) Dispersão urbana e mobilidade populacional - Teoria, Método e Evidências. Blücher.

D’ANTONA, A. O.; BUENO, M. C. Grades estatísticas no estudo da dispersão urbana– superação dos limites das unidades administrativas e operacionais censitárias. 2015b in OJIMA, R.; MARANDOLA Jr, E. (Org.) Dispersão urbana e mobilidade populacional - Teoria, Método e Evidências. Blücher.

DORIA, V. E. M.; AMARAL, S.; MONTEIRO, A. M. V. Estimativa e distribuição espacial de população urbana com imagens de satélite de luzes noturnas: um estudo para a região metropolitana de São Paulo, Brasil, com o sensor Visible/InfraredImaging Radiometer Suite (VIIRS). GEOGRAFIA (RIO CLARO. IMPRESSO), v. 41, p. 165, 2016

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE (ESRI). ARCMAP. 2019a. Directional Distribution (Standard Deviational Ellipse). Disponível em http://desktop.arcgis.com/en/arcmap/10.3/tools/spatial-statistics-toolbox/directional-distribution.htm S.a Acessado em: 01/07/2019

ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE (ESRI). ARCMAP. 2019b. Standard Distance. Disponível em http://desktop.arcgis.com/en/arcmap/10.3/tools/spatial-statistics-toolbox/standard-distance.htm. Acessado em: 01/07/2019

FEITOSA, F. F. 2005. Índices Espaciais para Mensurar a Segregação Residencial: O Caso de São José dos Campos (SP). Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Sensoriamento Remoto. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), São José dos Campos.

GALSTER, G. et al. 2001. Wrestling sprawl to the Ground: Defining and Measuring an Elsive Concept. Housing Policy Debate, v. 12, Issue 4.

GONÇALVES, A. R.; KRAFTA, R. 2016. Indicador de dispersão urbana baseado em medida de acessibilidade ponderada. Revista Brasileira de Cartografia, v. 68, n. 4, 18 abr.

HIRYE, M. C. M.; AMARAL, S.; MONTEIRO, A. M. V.; ALVES, D. S. 2017 Interpolação de dados censitários para a análise da ocupação intra-urbana em Altamira (Pa), entre 2000 e 2010. RBC. Revista Brasileira De Cartografia (Online), v. 68, p. 1585-1599.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2016. Base cartográfica: Grade estatística. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/recortes_para_fins_estatisticos/grade_estatistica/censo_2010/. Acessado em: 05/04/2020

IWAMA, A. Y. 2014. RISCOS E VULNERABILIDADES ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EAMBIENTAIS: ANÁLISE MULTIESCALAR NA ZONA COSTEIRA DE SÃOPAULO – BRASIL. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Ambiente e Sociedade. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

KAMPEL, S. A. 2003. Geoinformação para estudos demográficos: representação espacial de dados de população na Amazônia Brasileira. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Transportes, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo.

LOBO, C. MATOS, R. 2011. Migrações e a dispersão espacial da população nas Regiões de Influência das principais metrópoles brasileiras. R. bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 81-101, jan./jun.

MARANDOLA JR, E. J. 2008. Habitar em risco: mobilidade e vulnerabilidade na experiência metropolitana. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas.

MANCINI, G. A. 2008. Avaliação dos custos da urbanização dispersa no Distrito Federal. Dissertação de Mestrado. Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Universidade de Brasília., Brasília.

MONTE-MÓR, R. L. 2006. O que é o urbano, no mundo contemporâneo. Belo Horizonte: CEDEPLAR. 14 p

NECHYBA, T. J.; RANDALL P. W. 2004. Urban Sprawl. Journal of Economic Perspectives, 18 (4), 177-200. DOI: 10.1257/0895330042632681

NASCIMENTO JÚNIOR, L. 2017. Urbanização e cidade dispersa: implicações da produção do espaço urbano no Brasil, em Moçambique e na Austrália. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 21, n. 2, p. 550-569, agosto. ISSN 2179-0892

OJIMA, R. 2007.Análise comparativa da dispersão urbana nas aglomerações urbanas brasileiras: elementos teóricos e metodológicos para o planejamento urbano e ambiental. Tese de doutoramento. Universidade Estadual de Campinas, Programa de Pós-Graduação em Demografia, Campinas – SP, 166p

OJIMA, R. 2016. "Pessoas, Prédios e Ruas: Por Uma Perspectiva Demográfica dos Processos Urbanos Contemporâneos", p. 17-34. In: Ojima, R; Marandola Jr., E. Dispersão Urbana e Mobilidade Populacional. São Paulo: Blucher

PEDRO, A. A.; QUEIROZ FILHO, A. P. DE. 2017. AVALIAÇÃO DA GRADE ESTATÍTICA EM AGLOMERADOS SUBNORMAIS: ESTUDO DE CASO DA SUBPREFEITURA DE SÃO MATEUS - SP. Revista Brasileira de Cartografia, v. 69, n. 2, 22 fev.

REIS FILHO, N. G. 2006. Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes.

SÃO PAULO. 2012. Lei Complementar Estadual Nº 1.178 de 26 de junho de 2012. São Paulo: SP.

SILVA, A.P.; MORATO, R.G.; KAWAKUBO, F.S. 2013. Mapeamento da Distribuição Espacial da População Utilizando o Método Dasimétrico: Exemplo de Caso no Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física V. 06, N. 01, 037-048

SPOSITO, M. E. 2009.Urbanização difusa e cidades dispersas: perspectivas espaço-temporais contemporâneas. In: REIS, Nestor G. (Org.). Sobre a dispersão urbana. São Paulo: Via das Artes/FAUUSP, p. 38-54

STRAUCH, J. C. M.; FRANÇA, V. O.; AJARA, C. Método Dasimétrico Inteligente: Uma aplicação na Mesorregião Metropolitana de Belém. Revista Brasileira de Cartografia, v. 66, n. 6, 30 dez. 2014.

TRINDADE JR., S.-C. C.; BARBOSA, E. J. S. 2016. Reestruturação metropolitana na Amazônia oriental: empreendimentos econômicos e dispersão urbana na área de influência imediata de Belém. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 20, n. 2, p. 349-363. ISSN 2179-0892
Publicado
2020-12-31
Como Citar
ALVES, José Diego Gobbo; D'ANTONA, Álvaro de Oliveira. Distribuição espacial da população e dados demográficos: uma análise comparativa. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 71-84, dec. 2020. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/315>. Acesso em: 02 aug. 2021. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.4432900.
Seção
Artigos