Breves considerações sobre expansão urbana nas megacidades da América Latina: o caso de São Paulo

  • Kelly Cristina de Moraes Camargo
  • Roberto Luiz do Carmo
  • Tathiane Mayumi Anazawa

Resumo

Em 2020, existem 34 megacidades distribuídas em países ao redor do mundo, das quais seis estão alocadas na América Latina (UN, 2019). Megacidades são classificadas como aglomerações urbanas com ao menos 10 milhões de habitantes (UN, 2019). E nesse âmbito, o objetivo do artigo é analisar as tendências de crescimento populacional em relação a forma de expansão urbana nas megacidades latino-americanas, a partir do estudo de caso do município core da megacidade de São Paulo. Empregou-se dados vetoriais disponibilizados pelo Atlas of Urban Expansion (2016), entre 1991 e 2014, em conjunto com dados censitários (1991 a 2010) e da Prefeitura de São Paulo (2000 e 2010) a nível distrital. Foi possível identificar que a maior parte das novas áreas construídas no município de São Paulo se configura como preenchimento do solo exposto, estando localizada, sobretudo, em áreas consolidadas e que apresentaram intensidades menores de crescimento demográfico.

Referências

ALVES GA. 2011. A requalificação do centro de São Paulo. Estudos avançados, São Paulo, 25 (71): 109-118.

ABRAMO P. 2007. A cidade COM-FUSA: a mão inoxidável do mercado e a produção da estrutura urbana nas grandes metrópoles latino-americanas. Revista Brasileira de estudos urbanos e regionais 9 (2): 25-54. https://doi.org/10.22296/2317-1529.2007v9n2p25

BAENINGER R. 2016. A nova configuração urbana no Brasil: desaceleração metropolitana e redistribuição da população. Anais XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP, Foz do Iguaçu: 729-772.

BECHELLI C.; POLIDORO M.; BARROS M.; LOLLO J. (2010). Reflexões teórico-conceituais do sprawling urbano: notas para um debate. Anais Semana Geo, Londrina, UEL.

BÓGUS LMM.; VÉRAS MPB. 2000. A reorganização metropolitana de São Paulo: espaços sociais no contexto da globalização. Cadernos Metrópole 03 (1): 81-98.

BRENNER N. 2013. Reestruturação, reescalonamento e a questão urbana. GEOUSP Espaço e Tempo (Online) 33(1): 198-220. https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2013.74311.

BURCHELL R.; SHAD N. 1998. The evolution of the sprawl debate in the United States. Hastings W.-Nw. J. Envtl. L. & Pol'y 5.

CAMPOLINA DINIZ C.; CAMPOLINA B. 2007. A região metropolitana de São Paulo: reestruturação, re-espacialização e novas funções. EURE (Santiago) 33 (98): 27-43. http://dx.doi.org/10.4067/S0250-71612007000100002.

CASTELLS M. 1973. Imperialismo y urbanización en América Latina. Editorial Gustavo Gili, Barcelona, Espanha.

CELADE. 2001. Boletim Demográfico sobre a Fecundidade na América Latina (1950-2050).
Centro de Estudos das Metrópoles (CEM). 2016. Dicionário da Base de Lançamentos Imobiliários Residenciais na Região Metropolitana de São Paulo (1985-2013).
CEM/CEPID/SEHAB/Prefeitura Municipal de São Paulo. 2016. Malhas Lançamentos Imobiliários Residenciais na Região Metropolitana de São Paulo (1985-2013).

CEM/CEPID/SEHAB/ Prefeitura Municipal de São Paulo. 2010. Malhas favelas.

CEM/CEPID/SEHAB/ Prefeitura Municipal de São Paulo. 2000. Malhas favelas.

D'OTTAVIANO MCL. 2008. Condomínios fechados na Região Metropolitana de São Paulo: fim do modelo centro rico versus periferia pobre? Universidade de São Paulo, São Paulo.

FERREIRA, JS. 2005. A cidade para poucos: breve história da propriedade urbana no Brasil. Simpósio Interfaces das representações urbanas em tempos de globalização 1 (1).

HARVEY RO.; CLARK WAV. 1965. The Nature and Economics of Urban Sprawl. Land Economics, 41 (1): 1-9. https://doi.org/10.2307/3144884.

HEINRICHS D.; KRELLENBERG K.; HANSJÜRGENS B. 2012. Introduction: megacities in Latin America as risk habitat. In. Heinrichs D.; Krellenberg K.; Hansjürgens B.; Martinez F. (Orgs.). Risk habitat megacity. Springer, Berlim, Alemanha.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censos Demográficos, 1991 a 2010.

KOWARICK L. 2000. Escritos urbanos. Editora 34, São Paulo, Brasil.

LEMOS AIG. 2015. Los “nuevos sentidos” espaciales de las metrópolis latinoamericanas. Confins 24 (1). https://doi.org/10.4000/confins.10327.

LIMONAD E. 2007. Urbanização dispersa mais uma forma de expressão urbana? Formação (Online) 1 (14): 31-45.

LITMAN T. 2015. Analysis of public policies that unintentionally encourage and subsidize urban sprawl. TRB Transportation Research Board. https://trid.trb.org/view/1350498.

MARICATO E. 2003. Metrópole, legislação e desigualdade. Estudos avançados 17 (48), São Paulo: 151-166. https://doi.org/10.1590/S0103-40142003000200013.

MATTOS C. 2005. Crescimento metropolitano na América Latina. Los Angeles como referência? In: Campolina Diniz C.; Lemos MB. (Org.). Economia e Território. Ed. UFMG, Belo Horizonte, Brasil.

NACIFF YDN.; Kneib, EC. 2020. Estrutura espacial e mobilidade urbana: estudo sistêmico aplicado à Região Metropolitana de Goiânia. Caderno de Geografia 30 (61): 286-286. https://doi.org/10.5752/P.2318-2962.2020v30n61p286.

MOURA R. 2016. Como pensar o urbano na América do Sul? In. Sposito MEB. et al (Org.). Estudos urbanos comparados: oportunidades e desafios da pesquisa na América latina. Universidad Nacional de Tucumán, San Miguel de Tucumán, México.

MOURA R. 2011. Arranjos urbano-regionais no Brasil: especificidades e reprodução de padrões. Biblio 3w: revista bibliográfica de geografía y ciencias sociales: .
Prefeitura de São Paulo/PDUI. Estrutura Urbana Subsídios à elaboração do PDUI Relatório Preliminar Dezembro de 2015. Disponível em: http://multimidia.pdui.sp.gov.br/rmsp/docs_trabalho/rmsp_docs_trabalho_0008_relatorio_preliminar_estrutura%20urbana.pdf
SANTORO PF. 2011. O desfio de planejar e produzir expansão urbana com qualidade: a experiência colombiana dos planos parciais em Bogotá, Colômbia. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais 13 (1): 91-115. https://doi.org/10.22296/2317-1529.2011v13n1p91.

UN Habitat; NYU; Lincoln Institute of Land Policy. 2016. Atlas of Urban Expansion.
United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division. 2019. World population prospects: the 2018 revision. United Nations, New York, EUA.
Publicado
2020-12-31
Como Citar
CAMARGO, Kelly Cristina de Moraes; CARMO, Roberto Luiz do; ANAZAWA, Tathiane Mayumi. Breves considerações sobre expansão urbana nas megacidades da América Latina: o caso de São Paulo. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 15-27, dec. 2020. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/310>. Acesso em: 02 mar. 2021. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.4434452.
Seção
Artigos