A ocupação do Vale do Mucuri: a elite rural e o dilema entre modernidade e atraso

  • Márcio Achtschin Santos

Resumo

Até meados do século XIX, o Vale do Mucuri, nordeste de Minas Gerais, era uma região povoada por comunidades indígenas dispersas. Esse cenário sofreu significativas mudanças a partir dessa data, com intenso fluxo populacional em função de um alto grau de mercantilização ocorrido após a crise mineradora. O objetivo desse estudo é analisar as particularidades e os resultados da ocupação ocorrida na região do Vale do Mucuri a partir da segunda metade do século XIX até meados do século XX.  O Mucuri  sofreu um processo de colonização tendo sua produção em grande escala baseada na produção do café e, posteriormente, na pecuária. O agrego foi a principal mão-de-obra das médias e grandes propriedades rurais, utilizada para o desmatamento ininterrupto em benefício da lavoura e do pasto. Como resultado da pesquisa pode-se apontar que a exploração predatória das matas do Mucuri aliada a um contingente expressivo de agregados em condições miseráveis gerou riqueza para os proprietários rurais, mas não estimulava investimentos tecnológicos típico do modelo capitalista, trazendo através da imprensa uma representação da região ambígua, coexistindo prosperidade e ruína. 

Referências

Achtschin, M. (2008). A Filadélfia não sonhada: escravidão no Mucuri do século XIX. Teófilo Otoni.

Achtschin, M. (2018). A formação econômica, política, social e cultural do Vale do Mucuri. Teófilo Otoni.
Assis, F. G. de. (2007). Visões do agregado em Machado de Assis.

Barroso, L. C. (2017). A estrada Santa Clara no século XIX: caminho de ‘gentes’ e vivências no Mucuri. Belo Horizonte: O Lutador.

Carrara, Â. A. (1996). O sertão no espaço econômico da mineração. LPH/Revista de História n° 6. X Encontro Regional de História da ANPUC/MG., (6).

Cunha, A. M. (2002). A diferenciação dos espaços: Um esboço de regionalização para o território mineiro e algumas considerações sobre o redesenho dos espaços econômicos na virada do século. Ouro Preto: X Seminário sobre a economia mineira.

Fonseca, I. C. M. (1985). Nanuque, seu povo, sua história.

Franco, M. S. C. (1974). Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Ática.

Kok, G. (2007). Mattos, Izabel Missagia de. Civilização e Revolta: os Botocudos e a catequese na Província de Minas. Bauru, SP: EDUSC, 2004. 491p. Espaço Ameríndio, 1(1), p. 211. https://doi.org/10.22456/1982-6524.2494

Machado, C. (2006). O patriarcalismo possível: relações de poder em uma região do Brasil escravista emque o trabalho familiar era a norma. Revista Brasileira de Estudos de População, 23(1), pp. 167–186.

Martins, J. de S. (1981). Os camponeses e a política no Brasil: As lutas sociais no campo e seu lugar no processo político. Petropolis: Vozes.

Martins, M. L. (2010). Ocupação e desflorestamento numa área de fronteira: Vale do Mucuri, MG – 1890 a 1950. Revista de História Regional, 15(1), pp. 40–77.

Ottoni Carvalho, C. (2006). A mesorregião do Vale do Mucuri: contextualização histórica e Análise do desenvolvimento.

Ribeiro, E. M. (2010). Agregados e fazendas no nordeste de Minas Gerais. Estudos Sociedade e Agricultura, 18(2), pp. 393–433.

Ribeiro, E. M. (2013). Estrada da vida: terra e trabalho nas fronteiras agrícolas do Jequitinhonha e Mucuri, Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Sorel, I. (2015). Rua Direita versus ‘Rastacoro’: dominação e resistências em Teófilo Otoni e região no século XX (1910-1974). Teófilo Otoni.

Teófilo Benedito Ottoni, R. H. D. (2002). Conquista e civilização na Minas oitocentista. In: Notícias sobre os selvagens do Mucuri. Editora UFMG, 8, pp. 13–38.
Publicado
2020-07-09
Como Citar
SANTOS, Márcio Achtschin. A ocupação do Vale do Mucuri: a elite rural e o dilema entre modernidade e atraso. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 71-79, july 2020. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/293>. Acesso em: 27 oct. 2020. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.3928856.
Seção
Artigos