Doces matas do Norte de Minas Gerais: atores, instituições e construção da indicação geográfica do mel de aroeira

  • Alex Douglas Martins Demier
  • Daniel Coelho de Oliveira
  • Fausto Makishi

Resumo

O Mel de Aroeira do Norte de Minas trouxe novas perspectivas de agregação de valor à produção apícola regional, a partir da possibilidade de reconhecimento da Indicação Geográfica (IG). O mel de aroeira não é um produto tradicional na região, fruto de um processo social histórico, enraizado no território. O artigo analisa a IG do Mel de Aroeira do Norte de Minas como uma construção social, fruto de um arranjo que envolve organizações e instituições que se articulam em âmbitos regional e local. A pesquisa empírica foi realizada por meio da aplicação de questionário semiestruturado com representantes de associações, cooperativas e instituições de apoio. Os resultados da pesquisa indicam pouca participação dos apicultores nas discussões e o desconhecimento da operacionalização da IG. A estratégia top-down (de cima para baixo) de registro da IG foi capitaneada por entidades públicas governamentais que atuam na região. O texto demonstra que as Associações e Cooperativa buscam construir novos mercados para produtos fracionados com certificações sanitária, orgânica e de IG, a fim de obterem melhores remunerações pelo produto.

Publicado
2020-07-09
Como Citar
DEMIER, Alex Douglas Martins; OLIVEIRA, Daniel Coelho de; MAKISHI, Fausto. Doces matas do Norte de Minas Gerais: atores, instituições e construção da indicação geográfica do mel de aroeira. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 61-70, july 2020. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/292>. Acesso em: 10 aug. 2020.
Seção
Artigos