Solos e superfícies de erosão: uma contextualização da evolução da paisagem na Serra do Espinhaço Meridional (SdEM), Minas Gerais

  • César Augusto Chicarino Varajão
  • Angélica Fortes Drummond Chicarino Varajão
  • Fábio Soares de Oliveira
  • Helen Nébias Barreto
  • André Augusto Rodrigues Salgado

Resumo

O estudo investigou a evolução da paisagem da Serra do Espinhaço Meridional (SdEM), MG, através da caracterização macromorfológica, mineralógica, micromorfológica e química de solos desenvolvidos nas principais unidades lito-estratigráficas da região. Ocorrem principalmente Neossolos e Cambissolos, decapeados e cobertos discordantemente por um paleopavimento. Considerando as variações climáticas, as superfícies de erosão e as recentes datações dos solos, entendemos que após um longo período sob condições desérticas no Cretáceo (Superfície Pós-Gondwana) até o Paleoceno (Superfície Sul-Americana), ocorreu uma abrupta variação climática no Eoceno, em que condições quentes e úmidas formaram os mantos de alteração e o desmantelamento dos veios de quartzo presentes nas unidades subjacentes (Supergrupo Espinhaço). Estas condições também estiveram presentes durante o Mioceno, desaparecendo no Plioceno, onde a instalação de um novo clima desértico promoveu o desaparecimento da vegetação e a consequente erosão-decapitação dos perfis de solo. Neste contexto se formou o paleopavimento regional supracitado, interpretado como contemporâneo à Superfície Velhas. Sobre ele, durante o Quaternário, formaram-se inúmeras turfeiras, que sugerem condições climáticas regionais amenas.

Publicado
2020-07-09
Como Citar
VARAJÃO, César Augusto Chicarino et al. Solos e superfícies de erosão: uma contextualização da evolução da paisagem na Serra do Espinhaço Meridional (SdEM), Minas Gerais. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 17-42, july 2020. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/289>. Acesso em: 10 aug. 2020.
Seção
Artigos