Editorial Revista Espinhaço #15

  • Douglas Sathler

Resumo

No final dos anos 1990, eu tinha um sonho: estudar numa instituição federal de ensino. No caso, na UFMG. No ambiente do cursinho, estudantes batalhavam sete dias por semana almejando a sonhada matrícula. Naquele tempo, as vagas eram restritas, existiam poucas oportunidades transformadoras e ninguém queria ficar de fora. Parecia existir um consenso interessante: a universidade pública era parte do Brasil que dava certo. Nos últimos 20 anos, quantos avanços importantes vivenciamos nas universidades públicas. Podemos citar a ampliação de vagas, a expansão para lugares distantes dos grandes centros e o aumento do acesso por parte dos estudantes de escolas públicas. Em pesquisa recente, descobrimos que 80% dos estudantes da UFVJM, universidade localizada numa das regiões mais carentes do país, o Vale do Jequitinhonha, vieram das escolas públicas.


No entanto, apesar dessas informações animadoras, os últimos anos têm sido difíceis para o ensino superior no Brasil. No discurso geral, a universidade pública virou “o problema” do país, ao invés de instrumento para a promoção do desenvolvimento e da inclusão social. Os professores são desprestigiados dia após dia, o ambiente de trabalho tem sido deteriorado, as instituições de fomento à pesquisa e inovação estão quebradas e a assistência estudantil não é suficiente. Nesse contexto, as jovens universidades menos consolidadas, sofrem consequências ainda mais perversas, sobretudo àquelas que possuem lideranças com pauta dissonante dos anseios da comunidade acadêmica. Projetos como a Revista Espinhaço, que prezam pela promoção da ciência e pela elaboração de trabalhos com impacto regional, me parecem um alento.


Como sobreviver a esse caos? No meu ponto de vista, um dos possíveis diagnósticos é geográfico: crise de escala. É isso mesmo! Estamos vivendo uma crise de escala. Despejamos toda a nossa energia e saúde em problemas nacionais e prestamos pouca atenção no universo de possibilidades que existem em nosso entorno. Somos distraídos e consumidos com notícias de todo o tipo sobre o que acontece em Brasília, muitas delas ultrapassando as fronteiras do absurdo. Reorientar nossa atenção profissional e equilibrar o nosso espírito cidadão são fundamentais para a nossa saúde mental. Vigilantes sempre! Alienados aos problemas das nossas comunidades, jamais!


Nesse espírito, a Revista Espinhaço caminha para o seu 15º volume, trazendo, como de costume, seis artigos inéditos, uma entrevista especial e uma resenha.

Publicado
2019-12-20
Como Citar
SATHLER, Douglas. Editorial Revista Espinhaço #15. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 1-1, dec. 2019. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/279>. Acesso em: 01 june 2020.
Seção
Editorial