Os processos geológicos por trás dos sítios arqueológicos da Serra do Espinhaço Meridional

  • Matheus Kuchenbecker

Resumo

 


A Serra do Espinhaço Meridional, importante marco fisiográfico do território mineiro, abriga uma vasta rede de sítios arqueológicos, cujos registros têm sido cruciais para as investigações a respeito dos primeiros americanos. Em sua maioria, estes sítios ocorrem em abrigos rochosos naturais, como lapas, cristas e grutas, desenvolvidos em rochas metassedimentares pré-cambrianas. Este trabalho tem como objetivo apresentar, de forma didática, os principais processos geológicos envolvidos na gênese destes abrigos. Os processos de sedimentação, diagênese, metamorfismo e deformação influenciam a composição e estruturação das rochas, e estas características, por sua vez, exercem forte controle nos processos de intemperismo e erosão que, em última instância, dão origem às formas de relevo propícias à ocupação humana. Fica demonstrada, assim, uma íntima relação entre o inorgânico e o orgânico, entre o geológico e o antropológico, no tempo e no espaço, num excelente exemplo de interação entre os vários e complexos elementos do Sistema-Terra.

Referências

AlkmimFF, KuchenbeckerM, Reis HLS, Pedrosa-Soares AC. 2017. The Araçuaí Belt. In: HeilbronM, Cordani UG, AlkmimFF. (eds.). São Francisco Craton, Eastern Brazil. Regional Geology Reviews.

Baars FJ. 1996. Geologia da Folha São Sebastião do Maranhão. In: Grossi-Sad JHG, LobatoLM, SoaresACP,Soares-FilhoBS(Eds.), Projeto Espinhaço em CD-ROM (textos, mapas e anexos) (2317-2435). Belo Horizonte: COMIG.

Barbosa JSF, Sabaté P.2004. Archean and Paleoproterozoic crust of the São Francisco Craton, Bahia, Brazil: Geodynamic features. Precambrian Research133(1):1–27.

Chemale JrF, Dussin IA, Alkmim FF, Martins MS, Queiroga G, Armstrong R, Santos MN. 2012. Unravelling a Proterozoic basin history through detrital zircon geochronology: the case of the Espinhaço Supergroup, Minas Gerais, Brazil. Gondwana Research22(1): 200-206.

Dossin IA, Dossin TM, Charvet J, Cocherie A, Rossi P. 1993. Single zircon dating by stepwise Pb evaporation of Middle Proterozoic Magmatismo in the Espinhaço Range, Southeastern São Francisco Craton (Minas Gerais, Brazil). In: Anais do Simpósio do Cráton do São Francisco, 2. Salvador, 39-42.

Dussin IA, Chemale Jr F.2012. Geologia estrutural e estratigrafia do sistema Espinhaço–Chapada Diamantina e sua aplicação nas bacias mesozóico-cenózoicas da margem passiva brasileira. Petrobras, Rio de Janeiro, RJ, 218 pp.

Fagundes M. 2013. O Projeto Arqueológico Alto Jequitinhonha (PAAJ) e a Área Arqueológica De Serra Negra, Alto Araçuaí, Minas Gerais –Aspectos Gerais. Revista Espinhaço 2(2):68-95

Fagundes M. 2014. Arqueologia das Terras Altas Mineiras: Serra do Espinhaço Meridional. In: Baeta A, Piló H. (Org.). Morro do Pilar –carta arqueológica. Belo Horizonte: Ed. Orange, 1: 248.

Fagundes M, TameirãoJR. 2013. Conjuntos líticos do Sítio Arqueológico Mendes II, Diamantina, MG: um estudo de cadeia operatória dos artefatos unifaciais em quartzito da face meridional da Serra do Espinhaço. Revista Tarairiú 1(6): 165-187.

Fernandes MLS, MarcianoVRPRO, Oliveira RC. Correia-Neves JM, Diláscio MV. 1994. Granitos Borrachudos: um exemplo de granitogênese anorogênica na porção central do estado de Minas Gerais. Geonomos2(2):23-29.

Fogaça ACC, Almeida-Abreu PAA, Schorscher HD. 1984. Estratigrafia da sequência supracrustal arqueana na porção mediana-central da Serra do Espinhaço, Minas Gerais. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 33, Rio de Janeiro, Anais, v.5, p.2654-2667.

Grochowski J.2019. Os plútons Felício e Mercês: registros da orogênese Riaciana-Orosiriana no Bloco Guanhães. Disseração de mestrado. Universidade Federal dos Vales do Jequitnhonha e Mucuri.Grotzinger J, JordanT.2013. Para entender a Terra. 6ª Edição. Bookman, 768p.

Guadagnin F, Chemale F. 2015. Detrital zircon record of the Paleoproterozoic to Mesoproterozoic cratonic basins in the São Francisco Craton. Journal of South American Earth Sciences60(1):104-116.

Isnardis A. 2009. Entre as pedras: as ocupações pré-históricas recentes e os grafismos rupestres da região de Diamantina, Minas Gerais. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, 280p.

Isnardis A. 2013. Pedras na areia. As indústrias líticas e o contexto horticultor do Holoceno Superior na região de Diamantina, Minas Gerais. Revista Espinhaço 2(2):54-67.

KarfunkelJ, Noce CM, Kohler HC. 1991. A geologia do Grande Abrigo de Santana do Riacho e vizinhanças, Serra do Cipó, Minas Gerais. In: Prous, A., Malta, I.M. 1991. Arquivos do Museu de História Natural, Volume XII. Santana do Riacho. 33-42p.

Knauer LG. 2007. O Supergrupo Espinhaço em Minas Gerais: considerações sobre sua estratigrafia e seu arranjo estrutural. Geonomos15(1): 81-90.

Kuchenbecker M. 2018. Evolução geológica dos vales do Jequitinhonha e Mucuri: uma revisão. Revista Espinhaço7(1): 53-64.

Kuchenbecker M, Sanglard JCD. 2018. The role of detachment and interlayer shear zones in the structural evolution of the southern Espinhaço range, eastern Brazil. Journal of South American Earth Sciences84(1):343–350.

Kuchenbecker M, Pedrosa-Soares AC. Babinski M, Fanning M. 2015. Detrital zircon age patterns and provenance assessment for pre-glacial to post-glacial successions of the Neoproterozoic Macaúbas Group, Araçuaí orogen, Brazil. Precambrian Research266(1): 12-26.

Lopes-Silva L, KnauerLG. 2011. Posicionamento Estratigráfico da Formação Bandeirinha na Região de Diamantina, Minas Gerais: Grupo Costa Sena ou Supergrupo Espinhaço?. Geonomos19(2):131-151.

Machado N, Schrank A, Abreu FR, Knauer LG, Almeida-Abreu PA. 1989. Resultados preliminares da geocronologia U-Pb na Serra do Espinhaço Meridional. In: Proceedings of the Simpósio de Geologia de Minas Gerais5(1): 171-174.

Neves WA, Powell JF, Prous A, Ozolins EG, Blum M. 1999. Lapa VermelhaIV hominid 1: morphological affinities of the earliest known american. Genetics and Molecular Biology22(1):461–469.

NoceCM, Pedrosa-Soares AC, Silva LC, Armstrong R, Piuzana D. 2007. Evolution of polycyclic basement complexes in the Araçuaí Orogen, based on U–Pb SHRIMP data: Implications for Brazil–Africa links in Paleoproterozoic time. Precambrian Research159(1):60–78.

Paula-SantosGM, Babinski M, Kuchenbecker M, Caetano-Filho S, Trindade RIF,Pedrosa-SoaresAC.2015. New evidence of an Ediacaranage for the Bambuí Group in southern São Francisco craton (eastern Brazil) from zircon U-Pb data and isotope chemostratigraphy. Gondwana Res. 28(1):702–720.

Pedrosa-Soares AC, Noce CM, Alkmim FF, Silva LC, Babinski M, Cordani UG, Castañeda C, 2007. Orógeno Araçuaí: síntese do conhecimento 30 anos após Almeida 1977. Geonomos 15(1):1–16.

Prous A. 1992 Arqueologia Brasileira. Brasília, Editora UnB.

Rolim VK, 1992. Uma interpretação das estruturas tectônicas do Supergrupo Espinhaço, baseado na geometria dos falhamentos de empurrão. In: SImp. Geol. Minas Gerais, 6. Ouro Preto, 1991. Anais. Ouro Preto, Rev. da Esc. de Minas, 45(1):75–77.

Rosière CA, Uhlein A, Fonseca MA, Torquato JR.1994. Análise cinemática mesoscópica dos cavalgamentos do Cinturão Espinhaço na região de Diamantina. MG. Rev. Bras. Geociências24(2):97–103.Saadi A. 1995. A geomorfologia da Serra do Espinhaço em Minas Gerais e suas margens. Geonomos3(1): 41-53.

SchöllWU, Fogaça ACC. 1979. Estratigrafia da Serra do Espinhaço na região de Diamantina. Proceedings of the 1st Simp. Geol. Minas Gerais 55-73.

Silva LC, Armstrong R, Noce CM, Carneiro MA, Pimentel M, Pedrosa-Soares AC, Leite CA, Vieira VS, Silva MA, Paes VJC,Cardoso Filho JM. 2002. Reavaliação da evolução geológica em terrenos Pré-cambrianos brasileiros com base em novos dados U-Pb SHRIMP, parte II: Orógeno Araçuaí, Cinturão Mineiro e Cráton São Francisco meridional. Revista Brasileira de Geociências 32(4): 513-528.

Teixeira W, Toledo MCM., Fairchild TR, Taioli F.2007. Decifrando a Terra. 2ª Edição. Companhia Editora Nacional, 624p.

Tucker M.2014. Rochas Sedimentares: Guia Geológico de Campo. 4ª Edição. Bookman, 336p.Vasconcelos AMC, FagundeM, Silva AC, Leite VA. 2018. Sítio Arqueológico Três Fronteiras No 7: Um Abrigo do Holoceno Médio no Alto Araçuaí, Minas Gerais. Clio Arqueológica33(1):14-59.

Uhlein A. 1991. Transição Cráton -Faixa Dobrada: Exemplo do Cráton do São Francisco e da Faixa Araçuaí (Ciclo Brasiliano) no Estado de Minas Gerais. Aspectos estratigráficos e estruturais. São Paulo. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo. 295 p.
Publicado
2019-12-19
Como Citar
KUCHENBECKER, Matheus. Os processos geológicos por trás dos sítios arqueológicos da Serra do Espinhaço Meridional. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 1-12, dec. 2019. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/270>. Acesso em: 22 sep. 2020. doi: https://doi.org/10.5281/zenodo.3583279.
Seção
Artigos