Demografia Ecológica: população e desenvolvimento numa perspectiva ecocêntrica

  • José Eustáquio Diniz Alves

Resumo

O crescimento populacional e econômico tem enorme impacto sobre o meio ambiente. Desde o início do Holoceno, há cerca de 12 mil anos, a humanidade passou de algo em torno de 5 milhões de habitantes para a casa dos milhares de milhões, podendo chegar a mais de 11 bilhões de pessoas em 2100. Foi e tem sido um crescimento demográfico espetacular. Mas o crescimento das atividades econômicas foi muitas vezes maior. O crescimento econômico global se acelerou com o início da modernidade e a expansão europeia, especialmente após as Grandes Navegações e o processo de colonização e exploração dos recursos naturais das Américas. Porém, este crescimento tornou-se exponencial depois da Revolução Industrial e Energética que teve início no final do século XVIII. No período conhecido como modernidade clássica, houve grande progresso humano, mas, concomitantemente, retrocesso ambiental. Esta oposição entre os avanços materiais da humanidade e o recuo material e energético dos ecossistemas se mantém e se aprofunda na modernidade tardia (ou pós-modernidade), possibilitando, inclusive, o surgimento de uma nova era geológica. Para analisar a realidade ecológica da pós-modernidade, surgiu a sociologia ambiental de cunho ecocêntrico. No campo da demografia, as análises teóricas e empíricas que buscam relacionar a dinâmica populacional em conjunto com a dinâmica ecológica ainda são uma promessa. O objetivo deste artigo é discutir a relação entre população e desenvolvimento no Antropoceno e os desafios colocados por uma demografia com perspectiva ecocêntrica.

Referências

Alves JED. 2002. A polêmica Malthus versus Condorcet reavaliada à luz da transição demográfica. Escola Nacional de Ciências Estatísticas, IBGE. Rio de Janeiro, Brasil. [online] URL:
http://sociales.cchs.csic.es/jperez/pags/Teorias/Textos/Diniz2002.pdf

Alves JED. 2014a. População, desenvolvimento e sustentabilidade: perspectivas para a CIPD pós-2014. R. bras. Est. Pop. 31(1): 230. [online] URL: http://www.scielo.br/pdf/rbepop/v31n1/13.pdf

Alves JED. 2014b. Sustentabilidade, aquecimento global e o decrescimento demoeconômico, Diamantina. UFVJM, Revista Espinhaço 3(1): 4-16. [online] URL: http://www.revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/vie w/44

Alves JED. 2014. Para evitar o holocausto biológico: aumentar as áreas anecúmenas e reselvagerizar metade do mundo, Ecodebate, Rio de Janeiro. https://www.ecodebate.com.br/2014/12/03/para-evitar-o- holocausto-biologico-aumentar-as-areas-anecumenas-e- reselvagerizar-metade-do-mundo-artigo-de-jose-eustaquio- diniz-alves/

ALVES, JED. 2015. A crise do capital no século XXI: choque ambiental e choque marxista. Salvador, Revista Dialética Edição 7, vol 6, ano 5.

Aron R. 1993. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo: Martim Fontes.

Beck U, Giddens A, Lash S. 1997. Modernização Reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Universidade Estadual Paulista.

Beck U. 2011. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34.

Catton WRJ, E Dunlap RE. 1978. Environmental sociology: a new paradigm. The American Sociologist 13: 41-49.
Cavalcanti C. 2012. Sustentabilidade: mantra ou escolha moral? Uma abordagem ecológico-econômica. Estudos avançados 26(74).
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142012000100004

Cohen J. An Introduction to Demography (Malthus Miffed: Are People the Problem?), Big Think, 2012. Visitado em 29 de julho de 2018. [online] URL: https://www.youtube.com/watch?v=2vr44C_G0-o

Daly H. 2018. Ecologies of Scale. Interview by Benjamin Kunkel, London, New Left Review 109.

Ferreira LC. 2004. Idéias para uma sociologia da questão ambiental: teoria social, sociologia ambiental e interdisciplinaridade. Editora UFPR 10: 77-89. [online] URL: https://revistas.ufpr.br/made/article/download/3096/2477

Fraser C. 2010. Rewilding the World: Dispatches from the Conservation Revolution. Nova Iorque: Henry Holt and Company.

Giddens A. 2002. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Giddens A, Beck U, Lash S. 1977. Modernização Reflexiva. São Paulo: Unesp.

Global Footprint Network, 2018. Visitado 27 de julho de 2018. [online] URL: http://www.footprintnetwork.org/en/index.php/GFN/

Klinkenborg V. 2014. True Altruism: Can Humans Change To Save Other Species? Tennessee: Yale.

Lenzi CL. 2006. Sociologia ambiental: risco e sustentabilidade
na modernidade. São Paulo: Edusc.

Maddison A. 2010. Historical Statistics of the World Economy, site do autor.

Meadows D. 1972. (Ed.). The limits to growth. Massachusetts: Riversity Press.

Marques L. 2016. Capitalismo e colapso ambiental. Campinas:
Unicamp.

Martine G. Alves J. 2015. Economia, sociedade e meio ambiente no século 21: tripé ou trilema da sustentabilidade? R. bras. Est. Pop. Rebep 32(3): 433-460. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-3098201500000027

Pádua J. 2017. Brazil in the history of the Anthropocene. In: Issberner L, Léna P. Brazil in the Anthropocene: Conflicts Between Predatory Development and Environmental Policies, Londres, NYC, Routledge.

Patterson R. 2014. Of Fossil Fuels and Human Destiny. Blog, visitado em 26 de julho de 2018. [online] URL: http://peakoilbarrel.com/fossil-fuels-human-destiny/

O’Neill DW, Dietz R, Jones N. 2010. (Editors). Enough is Enough: Ideas for a sustainable economy in a world of finite resources. The report of the Steady State Economy Conference. Center for the Advancement of the Steady State Economy and Economic Justice for All, UK, 2010. [online] URL: http://steadystate.org/wp- content/uploads/EnoughIsEnough_FullReport.pdf

Rockström J, Steffen W, Noone K, Persson A, Chapin III FS, Lambin EF, Lenton TM, Scheffer M, Folke C, Schellnhuber JH, Nykvist B, Wit CA, Hughes T, van der Leeuw S, Rodhe H, Sörlin S, Snyder PK, Costanza R, Svedin U, Falkenmark M, Karlberg L, Corell RW, Fabry VJ, Hansen J, Walker B, Liverman D, Richardson K, Crutzen P, Foley JA. 2009. A safe operating space for humanity. Nature 461: 472-475. [online] URL:
https://www.nature.com/articles/461472a

Steffen W, Richardson K, Rockström J, Cornell SE, Fetzer I, Bennett EM, Biggs R, Carpenter SR, Wim de Vries, Wit CA,Folke C, Gerten D, Heinke J, Mace GM, Persson LM, Ramanathan V, Reyers B, Sörlin S. 2015. Planetary boundaries: Guiding human development on a changing planet. Science 347: 6223. http://dx.doi.org/10.1126/science.1259855

Touraine A. 1994. Crítica da Modernidade. Petrópolis:Vozes.

UN/DESA, World Population Prospects: The 2017 Revision. Vistado 28 de julho de 2018. [online] URL: https://esa.un.org/unpd/wpp/

VIGNIERI, S. Vanishing fauna, Science, 25 jul 2014. Visitado 28 de julho 2018. [online] URL: http://science.sciencemag.org/content/345/6195/392

WWF. Planeta Vivo, relatório 2014, Switzerland, 30/09/2014. Visitado em 29 de julho de 2018. [online] URL: https://www.wwf.org.br/?42223/Relatrio-Planeta-Vivo-2014
Publicado
2018-08-14
Como Citar
ALVES, José Eustáquio Diniz. Demografia Ecológica: população e desenvolvimento numa perspectiva ecocêntrica. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 36-45, aug. 2018. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/204>. Acesso em: 22 sep. 2020.
Seção
Artigos