Impactos do rompimento da barragem de Mariana na qualidade da água do rio Doce

  • Carlos Alberto Dias
  • Alexandre Silvio Vieira da Costa
  • Gilvan Ramalho Guedes
  • Glauco Jose de Matos Umbelino
  • Leonardo Gomes de Sousa
  • Janete Higino Alves
  • Thamires Gabriele Macedo Silva

Resumo

O rompimento da Barragem de Fundão, ocorrido em 05/11/2015, lançou no ambiente trinta e cinco milhões de m³ de rejeitos de mineração de ferro, afetando a qualidade da água devido ao volume de sólidos em suspensão. Considerando a importância do cuidado à saúde, este artigo utiliza séries temporais sobre concentrações de metais tóxicos nas águas do Rio Doce nos períodos anterior e posterior ao acidente, identificando as concentrações de metais em função do distanciamento temporal da ocorrência do desastre. Embora tenham sido identificados períodos de maior e menor toxicidade, os resultados apontam para um rápido retorno aos parâmetros de metais dissolvidos na água anteriores ao desastre, os quais já se encontravam acima dos limites legais estabelecidos. Devido aos possíveis agravos à saúde e à necessidade de se garantir a dessedentação sem risco, o monitoramento das concentrações destes metais deve continuar objeto de atenção no processo convencional de tratamento de água.

Referências

Borba RP, Figueiredo B, Cavalcanti JA. 2004. Arsênio na água subterrânea em Ouro Preto e Mariana, Quadrilátero Ferrífero (MG). Rem: Rev. Esc. Minas 57(1): 45-51. http://dx.doi.org/10.1590/S0370-44672004000100009.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2914, de 12 de dezembro de 2011. [Online] URL: http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/PORTARIA%20No%202.914,%20DE%2012%20DE%20DEZEMBRO%20DE%202011.pdf

Celere MS, Oliveira AS, Trevilato TMB, Segura-Muñoz SI. 2007. Metais presentes no chorume coletado no aterro sanitário de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil, e sua relevância para saúde pública. Cad. Saúde Pública 23(4): 939-947. [Online] URL: http://dx.doi.org/10.1590/S0102- 311X2007000400021.

Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº 357. Diário Oficial da União de 17 de março de 2005.

Cruz JBF, Soares HF. 2011. Uma revisão sobre o zinco. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde 15 (1): 207-222. [Online] URL:
http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=26019329014

Dantas ST, Saron ES, Dantas FBH, Yamashita DM, Kiyataka PHM. 2007. Determinação da dissolução de alumínio durante cozimento de alimentos em panelas de alumínio. Food Science and Technology 27(2): 291-297. [Online] URL: https://dx.doi.org/10.1590/S0101-20612007000200014.

Duarte RPS, Pasqual A. 2000. Avaliação do cádmio (Cd), chumbo (Pb), níquel (Ni) e zinco (Zn) em solos, plantas e cabelos humanos. Energia na Agricultura, 15 (1): 46-58.

Espindola HS, Ferreira NM, Mifarreg IEG. 2017. Território da mineração: uma contribuição teórica. Revista Brasileira de Geografia. 62(2): 67-93. [Online] URL: https://rbg.ibge.gov.br/index.php/rbg/article/view/132.

Espindola HS, Campos RBF, Lamounier KCC, Silva RS. 2016. Desastre da Samarco no Brasil: desafios para a conservação da biodiversidade. Fronteiras: Journal of Social, Tecnological and Environmental Science 5 (3): 72-
100. [Online] URL: http://periodicos.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/a rticle/view/2045.

Filho GB. Bogliolo. Patologia Geral. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 2018.

G1. Lista de mortos e desaparecidos no rompimento de barragem em MG. Publicado em: 07/11/2015 19h15 - Atualizado em 15/06/2016 10h43. [Online] URL: http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2015/11/veja-lista- de-desaparecidos-no-rompimento-de-barragens.html

G1. Os números da tragédia. 2017. [Online] URL: http://especiais.g1.globo.com/minas-gerais/2015/desastre- ambiental-em-mariana/1-mes-em-numeros/

Gomes MA, Pereira CA; Peres AEC. Caracterização tecnológica de rejeito de minério de ferro. 2011. Rem: Rev. Esc. Minas 64 (2): 233-236. [Online] URL:
http://www.scielo.br/pdf/rem/v64n2/a16v64n2.pdf.

Gomes MR, Rogero MM, Tirapegui J. 2005. Considerações sobre cromo, insulina e exercício físico. Rev Bras Med Esporte. 11 (5): 262-266. [Online] URL: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0 777.pdf

IBAMA. 2015. Laudo Técnico Preliminar. URL: https://am37.files.wordpress.com/2016/01/laudo-preliminar- do-ibama-sobre-mariana.pdf

JORNAL UNICAMP. 2017. Da comoção ao esquecimento. [Online] URL: http://www.unicamp.br/unicamp/sites/default/files/jornal/pa ginas/ju_662_paginacor_09_web.pdf

Lacaz FAC, Porto MFS, Pinheiro TMM. 2017. Tragédias brasileiras contemporâneas: o caso do rompimento da barragem de rejeitos de Fundão/Samarco. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. 42 (9): 1-12. [Online] URL: http://www.scielo.br/pdf/rbso/v42/2317-6369-rbso-42- e9.pdf.

Moreira FR, Moreira JC. 2004. A cinética do chumbo no organismo humano e sua importância para a saúde. Ciênc. saúde coletiva 9 (1): 167-181 http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100017.

Morgano MA, Gomes PC, Mantovani, DMB, Perrone AAM, Santos TF. 2005. Níveis de mercúrio total em peixes de água doce de pisciculturas paulistas. Food Science and Technology 25 (2): 250-253. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-20612005000200011.

Nagashima LA, Júnior CB, Silva CA, Fujimura AS. 2009. Avaliação dos níveis de metais pesados em efluente líquido percolado do aterro sanitário de Paranavaí, Estado do Paraná, Brasil. Acta Scientiarum. Health Sciences 31 (1): 1-8, http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHealthSci/art icle/view/1154/1154.

O Globo. 2017. Maior desastre ambiental do Brasil, Tragédia de Mariana deixou 19 mortos. [Online] URL: http://acervo.oglobo.globo.com/em-destaque/maior- desastre-ambiental-do-brasil-tragedia-de-mariana-deixou- 19-mortos-20208009#ixzz4zeAcvtTV

Picanço FEL, Lopes ECS, Souza EL. 2002. Fatores responsáveis pela ocorrência de ferro em águas subterrâneas da região metropolitana de belém/PA. Suplemento - Anais do XII Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas.
Revistas Águas subterrâneas. 1-17. [Online] URL: https://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/issue/view/ 1187.

Porto MFS. 2016. A tragédia da mineração e do desenvolvimento no Brasil: desafio para a saúde coletiva. Cad. Saúde Pública 32 (2): 1-3. [Online] URL: http://www.scielo.br/pdf/csp/v32n2/0102-311X-csp-32-2- 0102311X00211015.pdf.

RENOVA. 2017. Mapa da reparação. [Online] URL: http://www.fundacaorenova.org/?gclid=Cj0KCQiAjO_QBR C4ARIsAD2FsXNvWkK5HmFsqhsVHoXsTgFtoEtkRhbR wLzl9tN275M6C36284DFac4aAqs6EALw_wcB

Riguetti PF, Cardoso CAL, Cavalheiro AA, Lenzi E, Fiorucci AR, Silva MS. 2015. Manganês, zinco, cádmio, chumbo, mercúrio e crômio no chorume de aterro sanitário em Dourados, MS, Brasil. Rev. Ambient Água. 10 (1): 153-
163. http://dx.doi.org/10.4136/ambi-agua.1538.

Woff, AP. Caracterização dos rejeitos de minério de ferro das minas da vale. 2009. Dissertação de mestrado UFOP. [Online] URL: http://www.repositorio.ufop.br/bitstream/123456789/2345/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O_Caracteriza%C3%A7%C3%A3oRejeitosMin%C3%A9rio.pdf.
Publicado
2018-08-14
Como Citar
DIAS, Carlos Alberto et al. Impactos do rompimento da barragem de Mariana na qualidade da água do rio Doce. Revista Espinhaço | UFVJM, [S.l.], p. 21-35, aug. 2018. ISSN 2317-0611. Disponível em: <http://revistaespinhaco.com/index.php/journal/article/view/203>. Acesso em: 22 sep. 2020.
Seção
Artigos